Xanana Gusmão juntou-se à festa do título em Timor

Seleção portuguesa vence pela primeira vez o Euro e antigo primeiro-ministro e presidente timorense comemora efusivamente o triunfo

O ex-presidente e antigo primeiro-ministro timorense Xanana Gusmão juntou-se aos milhares de portugueses que, por todo o mundo, têm festejado a vitória da seleção nacional na final do campeonato europeu de futebol frente à França.

Nas ruas de Dili, capital de Timor-Leste, Xanana Gusmão comemora, segurando a sua bandeira nacional e a de Portugal.

A seleção nacional sagrou-se, este domingo, pela primeira vez campeã da Europa. O encontro com a seleção francesa ficou marcado por um único golo (de Éder) que garantiu a Portugal o histórico triunfo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.