Seleção recebe insígnias de Marcelo no Porto

Na véspera do jogo particular com Gibraltar, campeões europeus recebem as insígnias da Ordem de Mérito

Na próxima quarta-feira, véspera do jogo particular frente a Gibraltar, no Estádio do Bessa, Porto, os campeões europeus de futebol recebem na câmara daquela cidade as insígnias da Ordem de Mérito numa cerimónia presidida por Marcelo Rebelo de Sousa.

Os jogadores e a equipa técnica estiveram no Palácio de Belém, em Lisboa, no dia em que regressaram de França com o título de campeões europeus, a 11 de julho, tendo-lhes sido atribuída a comenda da Ordem de Mérito, mas só agora, no Porto, receberão as insígnias de comendadores.

Após a imposição das insígnias, a seleção vai até à varanda principal da Câmara do Porto para saudar a população. No exterior, haverá ecrãs gigantes para acompanhar a cerimónia que decorrerá no salão nobre, a partir das 18:30.

A 1 de setembro, Portugal disputa um encontro de caráter particular com Gibraltar, no Estádio do Bessa, onde estará em exposição o troféu conquistado em Paris. A 6 de setembro, em Basileia, a seleção das 'quinas' dá início, frente à Suíça, a qualificação para o Mundial2018.

Amanhã, pelas 12:00, o selecionador de futebol de Portugal Fernando Santos divulga a primeira lista de convocados após a conquista do Euro2016, em França, para os próximos dois jogos

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.