Álvaro lembra "génio" Platini e alerta para Gales "muito forte"

Álvaro Magalhães, treinador do Gil Vicente, alerta que o País de Gales está "a demonstrar uma capacidade de sofrimento impressionante", sendo que deste modo, Portugal necessita de ter algumas precauções

O antigo futebolista Álvaro Magalhães destacou o génio de Michael Platini na meia-final do Europeu de 1984, que Portugal perdeu com a França, e pediu cautelas para quarta-feira, face a um País de Gales "muito forte".

"A seleção de Portugal demonstrou muita qualidade, muita classe (no Europeu de 1984). Fizemos um campeonato fantástico e caímos contra uma seleção que à partida era favorita e acabou por ganhar esse título, uma seleção com os melhores do mundo. Mas, dignificámos o país e foi pena os últimos minutos, em que nos faltou um pouco de concentração, que nos levava à final", afirmou o ex-lateral esquerdo à Agência Lusa.

Internacional em 20 ocasiões pela seleção portuguesa, Álvaro Magalhães, titular no jogo com a França de há 32 anos, destacou o génio de Platini, num jogo em que Portugal esteve a vencer por 2-1 já no prolongamento. Aos 119 minutos, Platini confirmou a reviravolta no marcador

"(Platini) Era um campeão, um dos melhores do mundo, mas tínhamos de estar concentrados. Penso que o medo dos jogadores é que faz com que não tenham sucesso e eu e os nossos jogadores não tínhamos medo porque a seleção era constituída por jogadores com experiência internacional, tanto os do Benfica como os do FC Porto. Não havia que ter medo, só que os génios têm estas coisas e só Platini decide um jogo na fase final", salientou.

Sobre a meia-final do Europeu de 2016, com Portugal a medir forças com o País de Gales, Álvaro Magalhães destacou a "capacidade de sofrimento" dos galeses.

"O Pais de Gales é muito forte, uma equipa aguerrida, com agressividade, com um poder atlético fantástico, com uma vontade enorme, aliada à sua qualidade técnica, tática e psicológica. Penso que estes jogadores estão muito preparados, estão a demonstrar uma capacidade de sofrimento impressionante e Portugal vai ter de ter muitas cautelas, porque é uma seleção muito forte", alertou.

Já sobre o esquema tático de Portugal, o atual treinador do Gil Vicente acredita que Fernando Santos não vai alterar nada, até porque o País de Gales é "perigoso no contra ataque".

"Portugal tem praticado bom futebol, é a sua maneira de estar, o seu esquema tático. Tem demonstrado o mesmo comportamento e acho que não vai mudar, contra um adversário que à partida é perigoso no contra ataque e mais que nunca vai manter o seu sistema", explicou.

Dentro do habitual 4x4x2 utilizado pelo selecionador nacional não existe um ponta de lança, algo que para Álvaro Magalhães se deve à falta de oportunidades dada aos jovens nos seus clubes.

"Se recuarmos estes anos todos, em 1984 tínhamos dos melhores avançados: Gomes, Jordão, Néné, Diamantino e o Oliveira e o Manuel Fernandes, que não foram convocados. Agora, não temos um ponta de lança, e porquê? Aí é que está a dúvida. Acho que não se dá oportunidade aos jogadores portugueses para demonstrar a sua qualidade no seu campeonato. Há muitas contratações de estrangeiros que afastam jovens com valor", concluiu.

Portugal, que procura a segunda final, depois de ter perdido em casa a de 2004 (0-1 com a Grécia), defronta quarta-feira o País de Gales, em Lyon, no primeiro encontro das meias-finais do Euro2016, que tem início marcado para as 21:00 locais (20:00 em Lisboa).

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG