Então... e a assistência?! Ufa que calor...

A piloto portuguesa de Todo-o-Terreno escreve uma crónica diária no DN.pt durante o Rali Oilybia de Marrocos, que decorre entre os dias 4 e 10 de outubro e no qual compete na categoria de camiões

Imaginem como se sentiriam se estivessem amarrados a uma cadeira desconfortável durante oito ou dez horas seguidas. Foi assim que a nossa assistência passou o dia, sentados dentro da cabine, numa baquet de competição concebida para os carros de ralis e nada adaptada aos camiões. Esta não se articula e, por essa razão, não há possibilidade de se recostarem mais um bocadinho. É impensável esticar as pernas para as descontrair. O camião é grande... mas quem disse que era espaçoso?! A sensação é mesmo a de estar espartilhado o dia inteiro. Tem feito calor e, como se isso não bastasse, há ainda o calor do motor que lhes fica mesmo atrás das costas, ao contrário do que acontece nos outros camiões. O isolamento térmico e sonoro, já instalado por nós, não é de todo muito eficaz. Não há ar condicionado do ar forçado parece não dar grande resultado.

Quando saem de dentro da cabine, com a t-shirt molhada e colada ao corpo, trazem na expressão a fadiga, a saturação e a vontade de manter o Mundo à distância durante um tempo. Aí sei que não é o momento de abordar temas delicados!... Dentro da cabine torna-se cansativo conversar pois há que gritar... assim quando termina algum assunto que mereça tal esforço, o Jorge e o Hélder cedem à sonolência resultante daquela monotonia imposta pelas retas do deserto e pelos constantes 90 Km por hora. Adormecem. O Pedro resiste, naturalmente. Vai fazendo força no acelerador para que o velho MAN não abrande, até que a dor na perna o obrigue a parar uns minutos, fumar um cigarro e trocar algumas palavras com os seus parceiros na tranquilidade do deserto.

Chegados ao acampamento a organização encaminhou-os para o espaço de trabalho destinado, mas vai ter de ser preparado pois a água que caiu por Erfoud há dois dias deixou a sua marca.

Como hoje chegámos tarde as assistências em geral começam a trabalhar tarde também, o que não ajuda muito quando acontece algo mais complicado na mecânica.

Amanhã terei mais histórias para contar sobre a minha assistência. Até lá!

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG