De Buffon a Bale, as estrelas que não vão pisar os relvados da Rússia

Itália e Holanda são os grandes ausentes do torneio. Mas há outros grandes craques que ficam de fora. Veja alguns exemplos

Valem milhões, jogam em alguns dos melhores clubes do mundo, mas não vão estar na maior montra do futebol, o Mundial da Rússia, que arranca dia 14 (só estão contemplados futebolistas cujas seleções não se apuraram). Muitos até integram seleções históricas, com passado na prova, como são os casos da Itália, Holanda ou Chile, que contra todas as previsões ficaram de fora. Outros pertencem a países com pouca dimensão no panorama de seleções a nível mundial e por isso raramente (ou nunca) jogam fases finais de um Campeonato do Mundo de futebol.

A Itália é o exemplo mais flagrante. Quatro vezes campeã do Mundo (1934, 1938, 1982 e 2006), a azzurra ficou pela primeira vez de fora de uma fase final de um Mundial. E por isso não vamos ver jogadores como Verratti, Gianluigi Buffon, Insigne, Chiesa, Immobile, Chiellini ou Bonucci nos relvados da Rússia. O mesmo se passa com a Holanda, finalista vencida na África do Sul (2010) e terceira classificada no Brasil (2014), que deixa de fora do Mundial nomes sonantes como Daley Blind ou Van Dijk.

Há também casos fora da Europa. Na América do Sul, o Chile de Alexis Sánchez e Arturo Vidal não conseguiu o apuramento, tal como em África os Camarões e a Costa do Marfim também ficaram de fora, impedindo alguns dos melhores jogadores africanos que jogam na Europa de brilhar na Rússia.

Há depois os exemplos de grandes craques que representam seleções de nível médio/baixo. Um dos casos mais evidentes é o do avançado Aubameyang, que representa o Gabão. Também Oblak (Eslovénia), um dos melhores guarda--redes do mundo, vai ver o torneio pela TV, como Pjanic (Bósnia) e Hamsik (Eslováquia). Neste Mundial há ainda o caso de Gareth Bale, que não se irá mostrar na Rússia pelo País de Gales. Ou Mkhitaryan (Albânia) e Valencia (Equador).

Os ausentes davam para formar várias equipas. Se seguirmos o critério dos mais valiosos por posição (ver campo ao lado), seria possível construir um onze cujo valor de mercado, de acordo com o site transfermarkt, rondaria os 600 milhões de euros. Numa versão com jogadores históricos, figuravam no mesmo onze Buffon, Chiellini, Bonucci, Vidal, Dzeko, entre outros.

Exemplos antigos

A história dos grandes ausentes é cíclica. E não faltam casos de nomes sonantes que nunca conseguiram participar em Mundiais, a maioria das vezes prejudicados por representarem países com pouca expressão futebolística.

George Weah é um dos grandes exemplos. O atual presidente da Libéria, que foi eleito o melhor jogador do Mundo em 1995, pagou a fatura de ter nascido num pequeno país africano com pouca tradição no desporto-rei. Ryan Giggs, do País de Gales, é outro bom exemplo, pois só no último Europeu, já com Giggs reformado, o país do Reino Unido chegou a uma fase final de uma grande prova - o Euro 2016. O mesmo se aplica a Ian Rush (Gales) e a George Best (Irlanda do Norte).

Um dos casos mais estranhos é mesmo Alfredo Di Stéfano, ainda hoje considerado um dos melhores jogadores da história do poderoso Real Madrid. O avançado nascido na Argentina foi prejudicado pelo hiato na realização do Mundial a seguir à II Guerra Mundial. Ainda se naturalizou espanhol e esteve para representar o país vizinho no Mundial de 1962, mas lesionou-se e não disputou nenhum jogo. Di Stéfano ainda jogou pela seleção da Colômbia, mas também aqui não conseguiu o passaporte para participar num Campeonato do Mundo de futebol.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.