Daniel Martin vence na montanha e lidera Volta à Catalunha

Irlandês tem seis segundos de avanço sobre Contador. Dos favoritos foi Chris Froome quem perdeu mais tempo.

O ciclista irlandês Daniel Martin (Etixx-Quick Step) venceu hoje a primeira de duas etapas de montanha na Volta à Catalunha e assumiu a liderança da prova espanhola, cumpridas três etapas.

Os 172 quilómetros entre Girona e a estação de esqui de La Molina foram cumpridos em 5:00.27 horas, com Martin a impor-se por escassos dois segundos ao trio composto pelo espanhol Alberto Contador (Tinkoff), pelo francês Romain Bardet (AG2R) e pelo norte-americano Tejay van Garderen (BMC).

O vencedor da competição em 2013 atacou a 500 metros da meta e destronou assim o francês Nacer Bouhanni (Cofidis), que tinha vencido as duas tiradas anteriores, ambas ao 'sprint'.

Agora, na geral, Daniel Martin tem seis segundos de avanço para Contador e oito para Bardet, enquanto, entre os favoritos, o colombiano Nairo Quintana (Movistar) e australiano Richie Porte (BMC) são quinto e sexto, respetivamente, a 19 segundos, e o britânico Chris Froome é oitavo a 22.

André Cardoso (Cannondale) foi 49.º, a dois minutos, e caiu sete lugares, para 49.º, a 2.10.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.