Corrupção na II Liga: jogadores escutados a gozar com derrotas

Investigação resultou ontem em 15 detidos: jogadores do Oriental, da Oliveirense, presidente e um diretor do Leixões, empresários e um elemento dos Super Dragões

Uma investigação sobre resultados combinados e apostas ilegais na II Liga, que acelerou depois de uma denúncia da Federação Portuguesa de Futebol, levou ontem à detenção de 15 pessoas, entre elas oito jogadores e dois dirigentes, além de quatro empresários e um elemento de uma claque. Segundo soube o DN, a operação restringiu-se à II Liga e não abrange a I Liga.

Quando o árbitro apitou para o fim do jogo, uns festejaram a subida à I Liga (Feirense) e outros choraram a descida, como o Oriental e a Oliveirense, mas ninguém esperava o que aconteceu depois. Na Tapadinha, em pleno balneário, depois de ganharem ao Atlético (3-2), quatro jogadores do Oriental tinham elementos da Polícia Judiciária à espera. Segundo informou o clube no Facebook, João Pedro, André Almeida, Rafael Veloso e Diego Tavares (não jogou mas foi ao estádio ver o jogo) foram levados para interrogatório - serão presentes ao juiz Carlos Alexandre amanhã.

Passados uns minutos, o mesmo aconteceu no Oliveirense-Leixões. Hélder Godinho, Luís Martins, Ansumané e Pedro Oliveira, jogadores da equipa de Oliveira de Azeméis, terão sido detidos, pelo que foi dado a conhecer pelas imagens captadas por alguns media. O presidente do Leixões, Carlos Oliveira, e o secretário técnico do clube, Nuno Silva (antigo defesa-central), também terão sido levados para interrogatório. O DN tentou contactar responsáveis do Leixões e da Oliveirense, mas sem sucesso até ao fecho desta edição.

Em comunicado, a Procuradoria-Geral da República informou que foram realizadas "diligências de investigação em vários pontos do país, tendo sido efetuadas mais de uma dezena de detenções". Segundo o documento, "neste processo investigam-se factos suscetíveis de integrar crimes de corrupção passiva e ativa na atividade desportiva, nele figurando como suspeitos dirigentes e jogadores de futebol, bem como outras pessoas com ligações ao negócio das apostas desportivas. Em causa estão suspeitas de manipulação de resultados de jogos da II Liga de Futebol com recurso ao aliciamento de jogadores".

A investigação é dirigida pelo Ministério Público - 9.ª secção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa -, com a coadjuvação da Unidade de Combate à Corrupção da PJ, encontrando-se o "inquérito em segredo de justiça".

Apostas ilegais

A Operação Jogo Duplo envolveu cerca de 70 inspetores em mais de 30 buscas a nível nacional e levou ainda à detenção de quatro empresários e um dirigente da claque do FC Porto, conhecido por Aranha, suspeitos de aliciar jogadores. Tratar-se-á de ex-jogadores que funcionariam como intermediários de empresários asiáticos e alegadamente intermediavam negócios das apostas online nos resultados dos jogos de futebol em Portugal.

A PJ acredita que terão feito circular milhões de euros, em notas, por jogadores da II Liga. Alguns deles são suspeitos de alegadamente terem oferecido luvas a determinados atletas para, através de falhanços, prejudicarem as suas equipas e assim poderem fabricar os resultados mais improváveis.

O suposto esquema permitiria aos apostadores asiáticos, por dentro do assunto, saberem antecipadamente em que jogos teriam lucros garantidos e apostas certas.

Segundo soube o DN, os atletas terão sido apanhados a vender jogos e a gozar com as derrotas da equipa, não sabendo que estavam a ser escutados há cerca de dois meses.

O Oriental, por exemplo, terminou a II Liga no penúltimo lugar e foi despromovido ao Campeonato de Portugal, terceiro escalão. Mas para o presidente do clube os jogadores são inocentes até prova em contrário. "Daremos todo o apoio, sim. São nossos atletas. Mas também temos interesse em esclarecer esta situação e iremos apoiar quem merecer esse apoio", disse José Nabais após a detenção dos jogadores.

Já o Leixões festejou a permanência na II Liga ao vencer fora a Oliveirense (1-2), já despromovida. A equipa de Matosinhos marcou primeiro, por Pedras (51 minutos), mas deixou-se empatar com um golo de Ansumané (terá sido um dos detidos), até que aos 86 minutos o tunisino Slim fez o 2-1 que salvou o Leixões da descida.

Liga condena prática

A Liga Portuguesa de Futebol reagiu às detenções condenando "todas as práticas que não respeitem a verdade desportiva". E acrescentou, em comunicado, "confiar na capacidade das autoridades, de modo a que se investigue e apure algum tipo de ilícito, no sentido de assegurar a integridade das competições profissionais".

E a exemplo do que aconteceu em casos anteriores, a federação vai fazer chegar as suspeitas aos órgão da justiça desportiva. O que faz antever uma grande confusão nas contas da II Liga. Para já, certo é que a homologação da classificação do campeonato não cumprirá os prazos normais, estando em causa pelo menos a manutenção do Leixões - faltando saber se esta Operação Jogo Duplo não escavará ainda um buraco mais profundo.

com C.R.L. e R. F.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG