Canelas contra FC Porto? Fernando Madureira diz que seria "contranatura"

Líder dos Super Dragões diz não saber se vai jogar caso o sorteio decida um confronto entre Canelas e FC Porto

Fernando Madureira, avançado do Canelas, espera que este clube calhe com o Benfica no sorteio da terceira eliminatória da Taça de Portugal, pois defrontar o FC Porto seria, para o líder dos Super Dragões, "contranatura". O sorteio está marcado para quinta-feira às 17:30.

"Se calhasse o FC Porto ia ser muito complicado. Como é que ia fazer? Jogava a primeira parte e depois, na segunda, ia para a bancada puxar pelo FC Porto", ironizou Fernando Madureira.

"É contranatura. Teria de pensar se jogava", disse Madureira ao Jornal de Notícias.. "Não ia conseguir marcar um golo ao meu clube do coração", continuou.

Por outro lado, um jogo do Canelas, oitavo classificado da Série B do Campeonato de Portugal, contra o Benfica seria ideal, considera Madureira. "Seria um jogo em que iríamos transformar em forças todo o ódio que temos por ele", afirmou o líder da claque dos dragões, confessando que pede "a todos os santos" que lhes "calhe o Benfica".

"Seria um jogo de raiva", continuou Madureira.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.