Bruno de Carvalho e Pinto da Costa abandonaram reunião

Propostas de Sporting e FC Porto não foram sequer admitidas para discussão

Bruno de Carvalho e Pinto da Costa, presidentes do Sporting e FC Porto, respetivamente, abandonaram ao final da manhã a reunião da Liga pelo facto das propostas que os dois clubes apresentaram não terem sido admitidas para discussão.

"O Sporting e o FC Porto apresentaram propostas e o G15 recusou a admissão das mesmas. Curiosamente a proposta do FC Porto era a correção de gralhas que estavam nos regulamentos e que toda a gente reconhecia", revelou Pinto da Costa, antes de criticar a postura dos restantes membros dos clubes mais pequenos.

"Se o G15 quisesse conversar tinha de admitir as propostas dos outros, nem que depois votasse contra. Mas nem sequer querem ouvir e depois vêm dizer que querem diálogo entre todos. A partir daí entendi que não estava ali a fazer? Nada", salientou.

Já Bruno de Carvalho, através de um comunicado no Facebook, também não poupou nas críticas aos seus homólogos dos outros clubes.

"A Liga tem um modelo de gestão aprovado que é constituído por uma direcção e grupos de trabalho.

Este auto-denominado G15 - 3, decidiu substituir-se à Liga e fazer propostas directamente numa AG, mas numa total hipocrisia, que denunciei in loco, "apelando ao diálogo" quando nunca o quiseram.

Esta AG feita à pressa, que aconteceu depois do "ultimato" da FPF para a Liga reunir até ao final do ano, foi claramente uma manipulação política, nada teve a ver com futebol, e, para além da insensatez de ser marcada no último dia útil do ano em que, ainda por cima, tem vários jogos marcados.

A cobardia por não quererem ver as suas propostas rejeitadas, muitas delas uma perfeita aberração, fez com que chumbassem a admissão das propostas do Sporting CP e do FC Porto (esta situação da admissibilidade já está a ser vista pelo departamento jurídico se não é motivo para impugnação visto que as 3 propostas foram apresentadas dentro dos prazos regulamentares).

Houve pelo menos um presidente que andou pelos corredores da Liga a pedir aos clubes para votarem contra as propostas do Sporting CP e do FC Porto, só porque sim. Deplorável para quem fez, execrável para quem aceitou não pensar pela sua cabeça.

Decidi, assim, abandonar a AG com toda a comitiva do Sporting CP. E como o modelo de gestão aprovado da LIga foi colocado em causa por este G15 - 3, pedi ao representante do Sporting CP na direcção da LIga para suspender de imediato as suas funções, até que seja esclarecido qual é afinal o modelo de governação da LIga, e também comigo abandonar a AG.

O futebol português não pode ter actos de cobardia, de atitudes deploráveis e de falta de democracia.

Se este ano tem sido revelador de alguns dos piores episódios da história do futebol, acabar o ano com esta AG miserável é coerente.

Vergonha!", lia-se.

Exclusivos