SAD pediu explicações sobre o elevado número de lesões

Há nove jogadores entregues ao departamento médico. A situação é considerada grave e obriga a rigorosa avaliação no Seixal

A SAD do Benfica, liderada por Luís Filipe Vieira, pediu a toda a estrutura do futebol profissional um relatório minucioso sobre todas as lesões que existem neste momento no plantel profissional às ordens do treinador Rui Vitória, apurou o DN.

Nesta quinta-feira, o grego Samaris deu entrada no extenso lote de jogadores lesionados ao sofrer uma entorse de grau II no tornozelo esquerdo, aumentando assim para nove o número de futebolistas entregues ao departamento médico. No fundo, a SAD pretende saber quais as razões que estão na origem de todas estas baixas que, no fundo, têm limitado o rendimento da equipa, como ficou bem patente no jogo de terça-feira com o Besiktas, para a 1.ª jornada da Liga dos Campeões, no qual o Benfica se apresentou com uma frente de ataque bastante debilitada, com o treinador Rui Vitória a recorrer à adaptação do argentino Franco Cervi para jogar ao lado de Gonçalo Guedes.

Ao que o DN apurou, as reuniões entre equipa técnica, departamento clínico e Benfica LAB são diárias no centro de treinos do Seixal, aliás, como é habitual numa equipa profissional. Serão estes três departamentos que terão agora em conjunto de esclarecer a SAD sobre o que realmente se tem vindo a passar para que haja um número anormal de lesões.

É bom lembrar que desde o início da pré-temporada já são 16 os jogadores que necessitaram dos cuidados do departamento clínico. E há atletas fundamentais na época passada que pouco ou nada têm sido utilizados, casos de André Almeida, Jardel e Jonas, e destes o único que está recuperado é o internacional português, que só não tem jogado por opção técnica, pois o defesa direito titular tem sido Nélson Semedo.

Atenção às lesões musculares

Segundo informações recolhidas pelo DN, a principal preocupação dos responsáveis da SAD são sobretudo as lesões que têm afetado a parte muscular de alguns jogadores. São os casos de Jardel, que depois de ter recuperado de um problema na coxa direita sofreu no jogo em Arouca uma lesão na coxa esquerda; de Rafa Silva, que tem a atenuante de apenas ter feito um treino ao serviço do Benfica antes de se lesionar também em Arouca; Mitroglou, que chegou da seleção grega com um estiramento na coxa esquerda; e Fejsa, que teve de sair perto do final do jogo com o Besiktas também devido a queixas musculares, que o mantêm em dúvida para o duelo com o Sporting de Braga marcado para segunda-feira.

Os restantes jogadores - Danilo, Luka Jovic, Raúl Jiménez e Samaris - têm problemas de origem traumática, causados por pancadas. E depois há ainda o caso de Jonas, que após ser submetido a uma intervenção cirúrgica para corrigir uma fratura no pé direito sofreu uma infeção na costura da cirurgia, já depois de ter sido utilizado no jogo com o Nacional, que vai obrigar o goleador da equipa a uma paragem mais prolongada, estimando-se que o regresso à competição não aconteça antes do início de outubro, tal como o DN adiantou na semana passada.

Otimismo por Fejsa e Mitroglou

Depois de as lesões terem afetado o ataque do Benfica, agora é o meio-campo a sofrer uma autêntica razia. Isto porque neste momento apenas estão aptos o colombiano Guillermo Celis e André Horta. Ou seja, há o risco de no jogo com o Sporting de Braga, Rui Vitória ter falta de opções para esta zona do terreno.

Ainda assim, o DN sabe que existe algum otimismo quanto à recuperação de Fejsa a tempo de ser utilizado frente aos bracarenses, o mesmo acontecendo em relação ao avançado grego Mitroglou, que deverá regressar ao lote de disponíveis para essa partida da 5.ª jornada da Liga, o que permitirá ao Benfica poder jogar finalmente com um ponta-de-lança de raiz para fazer companhia ao jovem Gonçalo Guedes.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG