Quem tem Jonas tem tudo e nem precisa de forçar muito

Vitória tranquila do Benfica sobre um Chaves que não perdia há oito jogos, com o avançado brasileiro a matar o borrego flaviense com um bis. Águias estão a um ponto do Sporting.

Mesmo sem apertar muito o ritmo, o Benfica triunfou ontem facilmente sobre o Desportivo de Chaves, comprovando a ideia de que é o candidato que entra em melhor forma em 2018. Com Jonas em destaque - nunca tinha marcado aos flavienses e em menos de 20 minutos já assinara um bis -, a equipa de Rui Vitória parece apostada em não deixar fugir a hipótese de chegar ao penta.

Sem ansiedades, apenas convencido daquilo que sabe fazer, o Benfica somou mais três pontos e está a um do Sporting e a dois do líder FC Porto, que ainda tem 45 minutos em atraso no Estoril. E sem mais em que pensar, será muito difícil roubar pontos à águia daqui para a frente, pelo menos se a equipa mantiver a mesma atitude e a presença de espírito, o mesmo jogo simples e objetivo. E se a previsível ausência de Krovinovic, que se lesionou sozinho aparentemente com alguma gravidade nos minutos finais do encontro, não vai influenciar o jogo da equipa nas próximas partidas.

O jogo começou num ritmo lento e até foi dos flavienses, que entraram em campo invictos há oito jogos, o primeiro remate: aos cinco minutos, Jorginho cabeceou sem marcação. E sem perigo. Entrando de peito aberto a procurar jogar o jogo pelo jogo, como já fizera em Alvalade, a equipa de Luís Castro cedo mostrou não ter estofo para tanto. Em poucos minutos mostrou intranquilidade nas saídas desde o seu guarda-redes e quando deu por si já Jonas deixara a sua marca, depois de mais um lance em que Jefferson foi pouco expedito a tirar a bola da zona de perigo: deixou-a ao alcance de Grimaldo, que a deu a Krovinovic para este a ceder ao seu número 10. Este, à entrada da área, desferiu um tiro que só parou no fundo da baliza.

Autêntico homem duplo em campo - com ele, parece que o Benfica tem 12 homens, tal a facilidade com que trata sozinho de duas posições (a de 9 e a de apoio) -, Jonas deu um toque artístico ao jogo num belo túnel a Djavan (16") antes de bisar, desviando para a baliza um centro rasteiro e preciso de Salvio. E vão 23 golos em 19 jogos...

Pizzi fecha marcador

Com um avanço confortável, a equipa passou a jogar com mais tranquilidade, dispondo de mais um par de ocasiões para bater um Chaves em que apenas Bressan se mostrava à altura, circulando criteriosamente a bola apenas para os seus colegas a perderem facilmente. O hat trick de Jonas esteve à vista em cima do intervalo, mas desta feita acertou no guarda-redes.

Se o Chaves pensava ainda tirar alguma coisa no encontro na segunda metade, cedo perdeu as ilusões. Pouco mais de um minuto após o recomeço e já Pizzi recebia um centro de Cervi e chutava em posição frontal, fazendo um terceiro golo com culpas para o guardião visitante. Ficava por saber se o Benfica pretendia aumentar os números: ainda dispôs de mais um par de ocasiões e não o fez. Nem era preciso, num jogo que teve sempre controlado.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG