Promessa cumprida com eficácia mas menos solidez

Campeão entrou a ganhar perante um Sp. Braga que pôs a nu dificuldades defensivas da equipa de Rui Vitória. Jonas fez toda a diferença ao estar nos dois primeiros golos dos encarnados

"Voltámos para ganhar." A promessa exibida em pano gigante antes do pontapé de saída na Luz foi cumprida pelos jogadores escolhidos por Rui Vitória, mas a verdade é que o Benfica não teve uma noite fácil perante um Sp. Braga que nunca se encolheu mas acabou traído por alguns erros individuais bem aproveitados pela eficácia que todos reconhecem aos encarnados, que não foram tão sólidos a defender como é normal.

Para o primeiro jogo da Liga, os tetracampeões fizeram atuar, sem surpresa, o onze que conquistou a Supertaça, exceção feita à posição de lateral esquerdo, onde Eliseu rendeu o lesionado Grimaldo como já sucedera na partida de Aveiro - ou seja, a base do conjunto que se sagrou campeão, com as novidades Bruno Varela e Seferovic. Já Abel Ferreira fez três alterações à equipa que utilizou de início em casa perante os suecos do AIK na Liga Europa, mantendo o 4x4x2 que utilizou nessa partida: Vukcevic, Xadas e Ricardo Horta saltaram para a titularidade, saindo Danilo (que ficou no banco), Pedro Santos (foi jogar para a MLS) e Wilson Eduardo (tocado).

Numa noite invulgarmente fria para os padrões de agosto e com a Luz praticamente cheia, começaram bem os minhotos, organizados, tranquilos e mostrando capacidade para chegar à área dos homens da casa. Fizeram-no duas vezes nos primeiros dez minutos, mas Ricardo Horta foi lento na primeira, rematando contra a defesa, e Vukcevic falhou o remate na segunda, após belo passe de Rui Fonte.
Não tão incisivo como costuma ser no arranque dos jogos, o Benfica começou a despertar após um cabeceamento de Seferovic que saiu forte mas à figura de Matheus (12"). Dois minutos depois, a equipa chegou ao golo: como já demonstrara em Aveiro, a eficácia continua a ser um dos pontos fortes do Benfica. Jonas deambulou pela esquerda e aproveitou a passividade de Esgaio para colocar a bola entre os defesas e o guardião bracarense, onde surgiu Seferovic a desviar de carrinho para a baliza depois de fugir a Jefferson. O suíço somou assim o segundo golo em dois jogos, mostrando que na frente não faltam soluções.

O Sp. Braga ainda reagiu, mas o Benfica tomou conta das operações. Seferovic obrigou Matheus a defesa apertada e Salvio desperdiçou um ataque em vantagem numérica com um remate disparatado antes de o inevitável Jonas aproveitar um erro incrível de Raul Silva, que lhe amorteceu a bola para um remate de primeira.

Gverreiros voltam ao jogo

Com 2-0 à passagem da meia hora, o jogo entrou numa fase quezilenta com entradas duras de parte a parte - todas sancionadas com amarelo, exceto um pontapé desnecessário de Jonas em Raul Silva. Ainda assim, quando o intervalo já se aproximava, o Sp. Braga conseguiu reduzir num lance surgido do nada: Esgaio colocou a bola nas costas de Jardel e Hassan ganhou o duelo ao brasileiro, desviando para a baliza de Bruno Varela.

A segunda metade começou com um Braga ambicioso, a procurar chegar junto da baliza encarnada, sobretudo através do flanco direito, onde Esgaio se mostrou inspirado, como mostrou aos 49 minutos num lance em que ganhou a luta a Eliseu. Só novo erro (mau passe de Rosic a isolar um Seferovic que promete dar cartas com a sua força e capacidade de remate) pôs em xeque a defesa visitante, mas Raul Silva impediu o pior.

Hassan chegou a empatar o encontro (novo cruzamento mortal de Jefferson) mas o assistente anulou bem o lance, o que o VAR confirmou logo a seguir (seria consultado outra vez num pedido de penálti por parte do Benfica). Mesmo estando por cima, o Sp. Braga não evitou sofrer novo golo, numa fuga de Cervi pela esquerda, cujo cruzamento foi desviado por Rosic apenas para Salvio confirmar o golo em cima da linha. Estava feito o resultado final.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG