Luisão quer jogar até 2019 mas ex-capitães pedem avaliação anual

António Simões e António Veloso retiraram-se já quase quarentões e acreditam que o brasileiro tem condições para ser titular no próximo ano. Quanto ao seguinte é esperar para ver

Luisão quer jogar mais duas temporadas, ou seja, até final de 2018--19, embora só tenha contrato com o Benfica por mais um ano. Este é, pelo menos, o desejo transmitido pelo defesa-central numa entrevista ao canal de televisão brasileiro Esporte Interativo. "A minha ideia é jogar mais dois anos", afirmou o capitão encarnado, atualmente com 36 anos e 14 temporadas ao serviço do Benfica.

António Simões e António Veloso foram dois capitães do clube da Luz que penduraram as chuteiras já quase quarentões e deixam um conselho a Luisão. "O bom-senso deve imperar e o melhor é fazer planos ano a ano", começou por dizer o antigo extremo, um dos campeões europeus pelo Benfica em 1962, que se retirou com 39 anos. Já Veloso tinha 38 quando o treinador Artur Jorge o informou de que não contava mais com ele, apesar de ter "vontade de jogar mais uma época". O ex-lateral concorda que deve haver alguma ponderação em relação ao futuro de Luisão: "Não tenho dúvidas de que irá jogar mais um ano, mas depois o melhor é ver ano a ano como se sente."

Os dois antigos futebolistas deixam claro que as suas opiniões nada têm que ver com a qualidade que Luisão tem demonstrado dentro do campo. Aliás, Simões deixa um elogio ao brasileiro: "Acabou muito bem a época, durante a qual jogou de forma fantástica. Por isso, estou a vê-lo jogar mais um ano, o seguinte é que já não sei... Neste momento, o Luisão tem tudo no sítio e mostra uma capacidade física muito apreciável." Veloso está mesmo convencido de que "se não tiver lesões", o defesa-central poderá jogar "mais um ano como titular", embora sublinhe que "dependerá sempre de como se sentir". Assim sendo, coloca a decisão de renovar contrato por mais uma época nas mãos de quem manda. "Isso depende da vontade de quem dirige o Benfica, pelo Luisão já está decidido, como tal está 50% garantido, falta o resto", atira em tom de brincadeira.

Apesar de admitir que atualmente há maior longevidade nos futebolistas, António Simões garante que, no seu caso pessoal, "aos 31 ou 32 anos começava a notar-se que perdia velocidade e explosão", mas deixa claro que havia alguns benefícios que chegavam com a idade: "Ganha-se em maturidade, visão e cultura de jogo. No fundo a inteligência passa a ser mais bem utilizada."

E é partindo desse pressuposto que Simões defende que Luisão tem agora "um capital de experiência que lhe permite, com menos velocidade, saber mais em relação àquilo que se passa nas suas costas". No fundo, o capitão benfiquista tem o processo intuitivo bem mais apurado. Aliás, esse facto é utilizado por Veloso para lembrar que "em Itália ninguém questiona um jogador por causa da idade e, por isso, jogam até muito tarde".

"O Totti está nos 40 e ainda está no ativo, apesar de não ser muito utilizado por ser avançado. Mas, por exemplo, o Gattuso e o Paolo Maldini, atuando em posições mais recuadas, mantiveram sempre um papel importante na equipa do Milan", acrescentou António Veloso.

Com futuro na estrutura

O facto de Luisão ter um papel muito importante no balneário do Benfica, no que diz respeito à liderança e ao exemplo que dá aos companheiros, é considerado "importante" por parte de Veloso, embora António Simões faça questão de desmistificar um pouco esse facto. "A primeira justificação para assinar contrato com um jogador é se pode ser útil no campo. Se a isso puder juntar-se o facto de ter influência na equipa, ótimo. Junta-se o útil ao agradável", resume o antigo campeão europeu.

E é nesse sentido que deixa claro que o papel preponderante de Luisão poderá ser utilizado pelo Benfica depois de ele terminar a carreira. "Quando deixar de ser útil como futebolista, pode continuar a ser influente noutras funções fora do campo", adianta, justificando que "Luisão tem capacidade para, utilizando esse capital de influência, iniciar outras funções no clube e para ser bom no seu desempenho". "Trata-se de alguém com personalidade, perfil e capacidade de liderança para ser importante na estrutura de um clube como o Benfica", resumiu o antigo internacional português.

Exclusivos