Vieira ameaça com processos e anuncia gabinete de crise

Presidente do Benfica falou sobre os processos em que o clube está envolvido

Luís Filipe Vieira quebrou ontem o silêncio sobre os processos que o Benfica tem estado envolvido e, no final do jogo com o Desp. Aves, foi à sala de imprensa do Estádio da Luz para dizer avisar que "todos os que estão a manchar o nome do clube será severamente castigado". E nesse sentido, anunciou que "a partir de segunda-feira estará um gabinete de crise montado para responder a todos os ataques". "Acabou a paródia que tem sido instalada à conta do Benfica! Não vamos perdoar a ninguém", avisou.

A comunicação do presidente dos encarnados foi presenciada pelos administradores Domingos Soares Oliveira e Rui Costa, bem como pelo treinador Rui Vitória, e começou com uma garantia: "Nunca tanto eu como a minha direção manchou a honra ou a dignidade do Sport Lisboa e Benfica." Nesse sentido, acusou que o clube tem "sido vítima de um ataques sem precedentes em Portugal". "Violaram o nosso espaço e privacidade, anos e anos de uma empresa com dimensão mundial e até agora nada sucedeu e nada sabemos", sublinhou.

Vieira apontou depois para as denúncias anónimas que "funcionaram com um aparato muito especial". "Ainda hoje não compreendo as visitas a nossas casas e isto é um aviso a todos os benfiquistas: têm de ter a noção do que nos fizeram", frisou antes de atacar os rivais: "Não conseguem defrontar-nos pela competência da estrutura do Benfica e a única maneira de nos vencerem foi manchar o nosso nome."

O presidente benfiquista lembrou depois que "nos últimos 18 anos foi recuperada a credibilidade" do clube e deixou uma certeza: "Hoje temos a nossa marca manchada porque no nosso país não há algo que permite defender-se. Qualquer cidadão tem direito ao sigilo e isso não existiu para o Benfica, houve casos em que chegaram aos locais antes das autoridades", atirou, deixando de imediato um apelo aos adeptos: "Os benfiquistas devem estar unidos e alguns têm feito o jogo do nosso adversário. Estou muito determinado e nada tememos. Vamos enfrentar tudo até às últimas consequências."

Luís Filipe Vieira deixou ainda uma garantia: "Quem nos fez mal, está bem identificado e exigimos tratamento igual. Vão a casa de quem têm de ir. Não queremos o nosso nome manchado, queremos libertar-nos rapidamente do que está a acontecer." O líder dos encarnados visou ainda a justiça portuguesa com uma acusação direta: "Nunca imaginámos que a clubite chegasse à justiça. Pedimos que a justiça seja célere para que quem está a manchar o nosso nome seja seriamente penalizado. Agiremos criminalmente contra quem puser em causa o nome do Benfica. Acreditamos na justiça mas não na clubite ." Vieira frisou ainda que "o Benfica é um clube super-invejado em Portugal porque é o único com futuro e com projetos." E rematou com mais recados: "Os benfiquistas que estão a fazer o jogo do adversário deviam ter vergonha. No dia certo vamos desmascarar todos os que fazem os o jogo dos adversários."

Ontem de manhã, o Benfica já havia anunciado que iria acionar judicialmente o diretor de comunicação do Sporting, Nuno Saraiva. Em causa as declarações do dirigente na Sporting TV, que terá sugerido que a equipa B dos encarnados terá facilitado no jogo com a Académica em troca de votos na Liga. Além disso, em comunicado, desmentiram a notícia do Expresso segundo a qual o Benfica teria sido informado previamente das buscas da Polícia Judiciária ao Estádio da Luz, avançando ainda com a possibilidade de acionar judicialmente contra "autores e cúmplices" dessa notícia.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.