Luís Filipe Vieira deixa apelo: "Não falem dos outros clubes"

Após Rui Gomes da Silva ter lançado novas críticas ao Sporting, o presidente do Benfica pediu para deixarem de falar de outros clubes

Luís Filipe Vieira deixou, nesta quarta-feira, um apelo aos benfiquistas: deixarem de falar de outros clubes, após longas semanas de tensão e "picardias" com a comunicação do Sporting.

"O que disse o Sporting é problemas deles e não do Benfica. Apelo a todos os benfiquistas, opinadores ou não, que não falem dos outros clubes, por favor. Preocupem-se com o Benfica. Nós servimos o Benfica, não vivemos os outros clubes. Respeitamos, mas não os vivemos", apelou, à margem do funeral de Mário Wilson.

Este apelo do presidente do Benfica surge no mesmo dia em que Rui Gomes da Silva, "vice" das águias, é manchete no jornal A Bola em críticas ao Sporting.

"Não cometi asneira na grande penalidade, nem deixei fugir o Marega. Mas acima de tudo não fui que marquei aos 88 minutos. Segundo: os comunicados do Sporting devem ser vistos na proporção inversa aos resultados desportivos e financeiros. Compreendo a necessidade de procurar distrações, desviar atenções em função do desastre que foram os resultados financeiros da última época e dos últimos resultados desportivos, nomeadamente o jogo com o V. Guimarães", disse o dirigente.

Rui Gomes da Silva, que foi acusado pelo Sporting de ser "um parasita cobarde e incompetente", respondeu com críticas a duas figuras dos leões: "O Sporting empatou com o V. Guimarães, mas Bruno de Carvalho e Jorge Jesus perderam", atirou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.