Oito minutos à Benfica garantiram a 11.ª dobradinha

Emblema da águia bateu o Vitória de Guimarães, este domingo, por 2-1, ganhando a 26.ª Taça de Portugal da sua história. Entrada de rompante na segunda parte, com golos de Jiménez e Salvio, foi decisiva.

Quinze dias depois, repetiu-se a festa: o Benfica derrotou novamente o Vitória de Guimarães e juntou a Taça de Portugal à conquista da I Liga, celebrando a 11.ª dobradinha da sua história. Desta vez, quase tudo foi diferente da goleada que serviu para confirmar a vitória no campeonato (5-0, à 33.ª jornada). Mas oito minutos fulminantes, no início na segunda parte, chegaram para o triunfo encarnado, por 2-1.

Após 45 minutos intensos - com um jogo equilibrado e "rasgadinho", mas preso ao calculismo e quase sem oportunidades de golo -, o Benfica entrou de rompante na segunda parte. Raúl Jiménez fez o 1-0, picando a bola sobre Miguel Silva, na resposta a uma defesa incompleta do guarda-redes vitoriano (48'). Salvio marcou o segundo, de cabeça, em resposta a um cruzamento de Nélson Semedo, na direita (53'). E, já depois de Jonas ameaçar o 3-0 (numa cabeçada ao poste), o Vitória reduziu a desvantagem, por intermédio de Zungu, também de cabeça (78').

Depois, a reação vitoriana não deu para mais. O Benfica dominou até final e celebrou a conquista da 26.ª Taça de Portugal de sua história - não a ganhava desde 2013/14, época da última dobradinha.

EQUIPAS:

Benfica: Ederson, Nélson Semedo, Luisão, Lindelof, Grimaldo; Fejsa (Samaris, 23'), Pizzi; Salvio, Cervi (Rafa, 83'); Raúl Jiménez e Jonas (Filipe Augusto, 90').
V.Guimarães: Miguel, Bruno Gaspar, Josué, Pedro Henrique, Konan (David Teixeira, 57'); Zungu, Rafael Miranda; Hernâni (Sturgeon, 63'), Hurtado (Celis, 45+2') e Raphinha; Marega.

GOLOS: 1-0 Raúl Jiménez (48'), 2-0 Salvio (52'), 2-1 Zungu (78')

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.