Águias goleiam Belenenses e chegam à liderança provisória

O Benfica goleou esta sexta-feira o Belenenses, fora de casa, no jogo que abriu a 21.ª jornada da I Liga (0-5). Mitroglou (três) e Jonas (dois) fizeram os golos. E os encarnados ficaram na liderança provisória.

Oito vitórias consecutivas, 24 golos marcados nos últimos seis jogos: o Benfica segue numa forma imparável na I Liga e comprovou-o esta sexta-feira, na visita ao Estádio do Restelo. Eficazes, as águias manietaram um Belenenses irreconhecível (após a recuperação das últimas jornadas): primeiro dominaram, depois marcaram, com mais uma lição de eficaz.

Mitroglou abriu o resultado, Jonas fechou-o. O grego marcou três golos (dois a passe de Pizzi). E o brasileiro fez dois, igualando Higuaín (23) no topo da lista da Bota de Ouro. O forte caudal ofensivo dos encarnados desequilibrou a partida - e os erros defensivos dos azuis fizeram o resto.

A vitória deixa as águias na liderança provisória do campeonato, com um ponto de avanço sobre o Sporting, que apenas joga na segunda-feira, frente ao Rio Ave. Quanto ao Belenenses, está em 10.º lugar, já a cinco pontos dos lugares europeus, mas com oito de avanço sobre os postos de descida de divisão.

EQUIPAS:

Belenenses: Ventura; André Geraldes, Aguilar, Gonçalo Brandão e Fábio Nunes; Ruben Pinto (Gonçalo Silva, 46'), Miguel Rosa (André Sousa, 64'), Carlos Martins e Bakic (Ricardo Dias, 83'); Sturgeon e Juanto

Benfica: Júlio César; André Almeida, Lindelof, Jardel e Eliseu (Sílvio, 69'); Pizzi (Carcela, 79'), Renato Sanches, Samaris e Gaitán; Jonas e Mitroglou (Talisca, 83').

Árbitro: Nuno Almeida (AF Algarve)

GOLOS: 0-1 Mitroglou (41'), 0-2 Jonas (53'), 0-3 Mitroglou (58'), 0-4 Mitroglou (76'), 0-5 Jonas (87')

FILME DO JOGO:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.