'Caso dos e-mails': Paulo Gonçalves perde recurso na Relação

Assessor jurídico do Benfica recorreu da constituição como arguido no 'caso dos e-mails', mas mantém-se nessa condição, avança a revista Sábado

Paulo Gonçalves, assessor jurídico do Benfica, perdeu o recurso no Tribunal da Relação de Lisboa, no qual contestava a constituição como arguido no denominado 'caso dos e-mails'. A notícia foi avançada esta segunda-feira pela revista Sábado.

O recurso do jurista da SAD alegava que as autoridades não cumpriram todos os formalismos legais quando foi constituído no processo dos 'e-mails' (investigação do alegado esquema de manipulação de arbitragens em que o Benfica é visado), a 19 de outubro de 2017. No entanto, os juízes desembargadores Vieira Lamim e Ricardo Cardoso decidiram manter a decisão do Ministério Público.

Segundo a Sábado, a defesa do assessor jurídico do Benfica alegava que Paulo Gonçalves foi constituído arguido "sem que lhe sido facultada qualquer explicação ou esclarecimento, escrito ou oral, minimamente detalhado, especificado, ou sequer circunstanciado, acerca da existência de qualquer suspeita que sobre ele recaía" e que os inspetores da PJ "efectuaram cópias integrais dos ficheiros existentes no seu computador portátil, na sua pasta do servidor profissional, de todo o conteúdo da sua caixa de correio electrónico profissional e, não menos relevante, de todo o conteúdo do seu telemóvel pessoal, tudo sem recurso a qualquer palavra passe ou qualquer outro elemento delimitador ou critério definidor da busca" (no que é vulgarmente conhecido como 'pesca do arrasto').

"Compreende-se o incómodo, ou mesmo a revolta, de quem seja visado por este tipo de providências, executadas normalmente de surpresa e numa fase em que o processo pode estar longe de ter elementos que permitam um juízo seguro sobre o mérito da investigação. Contudo, não se aceita que a diligência possa ser definida como pesca de arrasto ou execução de mandado em branco", responde, a estes argumentos da defesa, o acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa, citado pela revista.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.