Arguidos do E-Toupeira ficaram em silêncio perante a juíza

Paulo Gonçalves e José Nogueira Silva foram presentes a magistrado no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa

Os dois arguidos detidos da operção E-Toupeira remeteram-se ao silêncio esta quarta-feira quando presentes a magistrado judicial no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa.

A notícia é avançada pelo Expresso, segundo o qual Paulo Gonçalves e José Nogueira Silva foram interrogados pela juíza de instrução Cláudia Pina, que ainda não os informou das medidas de coação a que ficarão submetidos.

Esta decisão deve acontecer ainda hoje.

O processo E-Toupeira investiga alegadas fugas de informação do sistema judiciário sobre as investigações ao Benfica, nomeadamente o "caso dos e-mails".

Estão cinco pessoas constituídas arguidas. Além de Paulo Gonçalves, assessor jurídico do Benfica, e José Nogueira Silva, técnico de informática, são dois funcionários judiciais e um agente de futebol que estão suspeitos dos crimes de corrupção ativa e passiva, acesso ilegítimo, violação de segredo de justiça, falsidade informática e favorecimento pessoal.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG