Arbitragens e suspeições forçam reunião com clubes

Presidente do Conselho de Arbitragem quer acalmar a onda de contestação provocada por FC Porto e Sporting relativamente a decisões dos árbitros. Encontro marcado para quarta-feira

As duras críticas de FC Porto e Sporting às decisões dos árbitros nos últimos jogos da Taça da Liga levaram o Conselho de Arbitragem (CA) a convocar ontem todos os clubes da I e da II Liga para uma reunião de emergência, na quarta-feira, para debater o clima de instabilidade e suspeição, agravado ontem com a presença de adeptos, alegadamente afetos aos dragões, no treino dos árbitros na Maia.

A crise acentuou-se nesta semana com a contestação de FC Porto e Sporting às decisões dos árbitros Luís Godinho e Rui Oliveira, respetivamente nos jogos com Moreirense e V. Setúbal para a Taça da Liga. Ao que o DN apurou, a decisão de convocar esta reunião que se realizará na Cidade do Futebol, em Oeiras, estava a ser ponderada por José Fontelas Gomes, presidente do CA, há algum tempo, tendo sido precipitada pelas reações enérgicas desta semana em que dragões e leões se queixam que más decisões dos juízes em jogos determinaram a respetiva eliminação dos dois clubes da Taça da Liga.

O CA pretende acalmar a onda de contestação e suspeição, que ontem teve como ponto crítico a presença de adeptos, com adereços dos Super Dragões, no centro de treinos dos árbitros, na Maia, onde estava também Fontelas Gomes, que testemunhou ameaças a Artur Soares Dias, que amanhã dirigirá o Paços de Ferreira-FC Porto. Este acontecimento obrigou mesmo à presença da polícia no local e a uma reunião entre os árbitros e o seu presidente (ver fotolegenda).

Nas últimas semanas, têm sido recorrentes as queixas do FC Porto sobre os penáltis alegadamente não assinalados a seu favor, tendo a contestação sido feita através da newsletter Dragões Diário, que, por exemplo, a 30 de dezembro, após o empate caseiro com o Feirense, denunciou que "a atenção parece estar virada para a instauração de uma lei do silêncio que não desmascare que o rei vai nu". Anteontem foi o diretor de comunicação dos portistas, Francisco J. Marques, a questionar, num programa do Porto Canal, a razão pela qual se dá o estatuto de internacional a árbitros com pouca experiência, indo até mais longe no ataque: "Este monstro foi criado para controlar a arbitragem, controlando o curso das competições. Quem fez isto foi o Benfica, não tenham dúvidas."

Sporting anuncia hoje medidas

Em Alvalade, a contestação subiu de tom após o dérbi com o Benfica, após o qual os responsáveis leoninos responsabilizaram o árbitro Jorge Sousa pela derrota (1-2) na Luz, tendo inclusive Jorge Jesus dito que "a crise do Sporting chama-se Jorge Sousa".

Na madrugada de ontem foi o diretor de comunicação do Sporting, Nuno Saraiva, a reagir através das redes sociais após a derrota em Setúbal, com um penálti polémico nos instantes finais, considerando a decisão do árbitro "o cúmulo da falta de vergonha" e falando numa competição "pensada e feita à medida de um clube". A SAD do Sporting esteve ontem reunida em Alvalade para, segundo fonte dos leões, estudar medidas a pôr em prática e cujo anúncio será hoje feito, estando ainda prevista a tomada de uma posição pública sobre os últimos acontecimentos.

As queixas mais ferozes, curiosamente, surgem por parte dos dois clubes que na época passada contestaram o critério do ex-presidente do Conselho de Arbitragem Vítor Pereira relativamente às nomeações. Foram inclusive FC Porto e Sporting os maiores apoiantes da eleição de Fontelas Gomes para a presidência do organismo. No início da época, Bruno de Carvalho, presidente do Sporting, chegou a elogiar "a preocupação de coerência por parte dos novos responsáveis pela arbitragem no que respeita às nomeações", tendo admitido que existia "a intenção de mudar, para melhor, alguma coisa no futebol português".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG