Abel Ferreira vence Libertadores pela segunda vez

O segundo triunfo consecutivo do Palmeiras, do português Abel Ferreira, na Taça Libertadores de futebol, deixou em euforia os adeptos que estavam junto ao estádio do clube e que sofreram muito durante os 120 minutos.

Lusa
© EPA/Sebastiao Moreira

O 'verdão' venceu o Flamengo, por 2-1, após prolongamento, conquistando o terceiro título da principal competição de clubes da América do Sul, o segundo consecutivo.

O primeiro golo da equipa 'palmeirense', aconteceu logo aos cinco minutos do início do jogo, por Raphael Veiga, com milhares de adeptos, que se concentraram para assistir a partida em telemóveis e pequenos televisores dentro dos bares localizados na frente do estádio da equipa, na zona oeste de São Paulo, a irem à loucura.

À Lusa, a maioria dos adeptos disse antes da partida que esperava um jogo difícil e muitos apostaram numa vitória por 1-0, mas depois do primeiro golo começaram a acreditar em resultados mais avolumados.

Os adeptos do Palmeiras iam cantando como se estivessem na bancada do campo durante toda a partida.

"Dale, dale, eu sou Palmeiras sim senhor (...) eu canto de meu 'porco' [animal símbolo da equipa], meu único amor, para o que der e vier, meu único amor", cantaram inúmeras vezes num coro de milhares de vozes.

Quando o Flamengo atacava alguns 'palmeirenses' apelavam para a 'magia' segurando cruzes em colares, enquanto outros tomavam goles de cerveja para espantar o calor de mais de 30 graus, típico do início do verão brasileiro.

"O coração só não pára porque está movimentado [bombeado] a cerveja", disse à Lusa Noel Borges de Souza, adepto do Palmeiras de 33 anos.

As ruas ao redor do estádio do Palmeiras foram todas enfeitadas com as cores verde e branco, e havia barreiras da polícia, que fez revista nas bolsas e malas de quem foi ao local acompanhar a partida. Em algumas zonas era impossível andar entre a multidão.

Houve grande aglomeração e muitos adeptos do Palmeiras estavam sem máscara, embora o Brasil seja um dos mais afetados pela pandemia de covid-19, que atualmente tem regredido em casos e mortes no país, devido à vacinação.

Dentro de um bar, Rosana Moreira da Silva, de 34 anos, dizia que o Palmeiras estava a jogar com muita raça e que iria conseguir o tricampeonato.

"O Abel é maravilhoso e o Palmeiras está seguindo a estratégia dele. Ele sempre teve uma estratégia boa para a equipa", disse a adepta.

Na segunda parte, o Palmeiras recuou para tentar segurar o Flamengo e em busca de uma hipótese de contra-atacar, mas os cariocas acabariam por empatar, aos 72 minutos, por Gabriel Barbosa.

Victoria Cristina Alves, de 19 anos, estava dececionada, porque o Palmeiras tainha jogado mal nos minutos antes do prolongamento.

"Estávamos com a taça na mão, a equipa recuou demais, mas Deus estará ao nosso favor", afirmou Victoria Cristina Alves.

No quinto minuto do prolongamento, Deyverson recolocou o Palmeiras em vantagem e Victoria e outros adeptos foram ao delírio.

"Sinto uma euforia total (...) Se o Palmeiras ganhar farei uma tatuagem. O grito de campeão está entalado na minha garganta", disse a adepta.

No segundo tempo do prolongamento, a ansiedade aumentava entre os adeptos da equipa de Abel Ferreira que aplaudiam até mesmo as faltas cometidas pela equipa.

"Acaba logo", gritavam alguns. Outros balançavam a camisola do Palmeiras cantando "vamos ganhar porco", prevendo que a equipa seria campeã.

Ao final, uma explosão de gritos de felicidade tomou conta dos arredores do estádio do Palmeiras. Pessoas atiravam cerveja ao ar nos bares, outras correram para a rua aos saltos e aos abraços.

Este é o terceiro título da Libertadores conquistado pelo Palmeiras, o primeiro em 1999, frente Desportivo Cali, da Colômbia.

No ano passado, já com Abel Ferreira como treinador, o Palmeiras venceu o Santos na final.