"El Comandante" abriu o caminho que acabou numa goleada inédita (Veja os golos)

Nunca o Sporting tinha vencido na Turquia mas estreou-se em grande estilo, batendo o Besiktas por 4-1, e pode sonhar com os oitavos.

Nuno Coelho
© Ozan KOSE / AFP

Ficou 4-1 mas o Sporting ficou a dever a si próprio uma goleada histórica para o seu historial na Liga dos Campeões, que não é propriamente famoso. Na Turquia, onde nunca tinha vencido nas competições europeias, a equipa de Rúben Amorim conseguiu os seus primeiros três pontos em grande estilo: além dos golos que concretizou, ainda atirou duas bolas ao ferro (ambas por Paulinho) e desperdiçou mais uma série de lances. A passagem aos oitavos fica assim em aberto e a possibilidade de, pelo menos, seguir para a Liga Europa é agora quase certa, mas ainda assim há várias coisas a melhorar para se poder bater com os dois conjuntos mais fortes do Grupo C.

Para a partida da Vodafone Arena, onde as duas equipas entraram sem qualquer ponto amealhado nas primeiras jornadas, o técnico turco já pôde contar com a experiência e qualidade do central Domagoj Vida e do médio Pjanic, que tinham falhado o jogo de Amesterdão, enquanto Rúben Amorim pôde contar com aquele que é o seu onze preferido: Gonçalo Inácio a fazer companhia a Coates, homem do jogo, e Feddal, e Pedro Gonçalves a jogar pela primeira vez com Sarabia no apoio a Paulinho. A única meia surpresa, ou nem tanto, foi a inclusão de Matheus Reis à esquerda, enquanto Pedro Porro recuperou da lesão sofrida no Restelo na última sexta-feira e acabou por ser titular.

Um primeiro minuto de grande intensidade acabou por proporcionar a primeira oportunidade de golo aos leões, quando um passe longo de Sarabia (a jogar pela esquerda) deixou o ex-Sp. Braga em boa posição mas o remate desajeitado acabou por ser defendido por Destanoglu. Ainda assim, o lance pareceu motivar os homens da casa, numa partida entretida mas jogada mais aos repelões do que propriamente com futebol de qualidade. O Besiktas aproximou-se duas ou três vezes com perigo, aproveitando bem a superioridade a meio-campo onde a inferioridade numérica leonina se fazia sentir.

No entanto, o golo acabaria por aparecer para o lado português. Um centro de Porro desviado por Sarabia resultou num canto; e o canto resultou no golo. Um primeiro desvio de Inácio colocou a bola à disposição para o cabeceamento fulgurante de Seba Coates, que abriu o marcador. E o Sporting ainda podia ter chegado ao segundo, não fosse Pedro Gonçalves, de forma egoísta, ter preferido rematar em vez de deixar Sarabia isolado com um toque. Não marcou o Sporting, respondeu o Besiktas, também de canto: aos 24 minutos, Pjanic colocou a bola no segundo poste, onde Larin saltou mais alto que Matheus Reis e cabeceou para o golo.

Mas três minutos bastaram para o Sporting voltar à vantagem e, para não variar, de canto. Desta feita com desvio de Paulinho para "El Comandante" voltar a faturar: o uruguaio nunca tinha marcado na Liga dos Campeões e tornou-se logo no primeiro defesa do seu país a conseguir um bis...

VAR dá uma ajuda

Nem a vantagem parecia, ainda assim, dar mais consistência defensiva ao jogo leonino. Batshuayi acertou no poste, num lance de alguma passividade de Inácio (embora o belga parecesse estar em posição irregular). E, quase do nada, a equipa de Amorim acabou por dispor de excelente oportunidade. Mais uma vez depois de um canto e de novo cabeceamento de Coates: já com a bola junto à área leonina, o VAR chamou a atenção ao árbitro para uma mão de Vida no lance anterior e assinalou grande penalidade. Sarabia, com categoria, concretizou o lance e deixou os leões com uma vantagem de 3-1. Ainda assim, antes do intervalo, o Besiktas conseguiu reduzir num golaço de Alex Teixeira. Ou teria, não fosse mais uma intervenção salvadora do VAR que detetou um fora de jogo...

Na segunda metade, o Sporting podia ter acabado com a discussão no jogo bem cedo, com Porro e Pedro Gonçalves a desperdiçarem boas situações. O Besiktas reagiu, esteve perto de reduzir por Larin e Batshuayi mas seria Paulinho a desperdiçar a melhor ocasião, depois de desviar para o poste um centro de Porro. Com os dois conjuntos a cometerem erros de principiante em catadupa, o avançado belga voltou a estar perto do golo e passou mesmo por Adán, acabando por meter a bola na bancada (69'), com nova resposta de Paulinho a esbarrar na trave (72'). O dianteiro acabaria depois por fechar as contas, com um golo de belo efeito (85'), numa altura em que os turcos já tinham percebido que os pontos estavam entregues. E Rúben Amorim conseguiu assim somar a sua segunda vitória europeia.

Veja todos os golos:

0-1, Coates

1-1, Cyle Larin

1-2, Coates

1-3, Pablo Sarabia

1-4, Paulinho