Acesso à água: uma questão de género?

Entre 1990 e 2010, dois mil milhões de pessoas obtiveram acesso a água potável, mas persistem desigualdades gritantes, tanto a nível geográfico, como de género. A Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres lembra isso mesmo, esta quinta-feira, 22 de março, Dia Mundial da Água, partilhando, na sua página do Facebook, os dados da ONU. Além da desigualdade entre o hemisfério norte e o hemisfério sul do globo, este recurso de primeira necessidade não está acessível aos dois géneros da mesma forma. Segundo a ONU Mulheres (os dados mais recentes são de 2015), em 25% dos países da África subsariana […]

Para saber mais clique aqui: www.delas.pt

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.