Silk Sonic, Olivia Rodrigo e Jon Batiste marcaram noite dos Grammy

Os prémios de música contaram com homenagem a Taylor Hawkins e uma mensagem de apelo do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Apesar de adiado uma vez, os Grammy voltaram este ano. Na última madrugada, a 64º cerimónia celebrou a música, distinguiu Silk Sonic, Olivia Rodrigo e Jon Batiste, homenageou Taylor Hawkins e ainda teve uma mensagem do presidente ucraniano.

Diretamente de Las Vegas, a primeira parte foi apresentada por Levar Burton e revelou os vencedores de alguns prémios como: a Melhor Música de R&B (Leave The Door Open de Silk Sonic ) a Melhor Atuação Pop (Drivers license de Olivia Rodrigo) ou Melhor Álbum de Rap (Call Me If You Get Lost de Tyler the Creator).

Embora nenhum membro da banda estivesse presente, os Foo Fighters ganharam três Grammy: Melhor Álbum de Rock (Medicine At Midnight), Melhor Canção de Rock (Waiting On War) e Melhor Atuação de Rock ( Making A Fire), tornando-os uma das bandas mais premiadas da história. Ninguém tinha ganho o Melhor Álbum de Rock mais do que duas vezes, sendo que os Foo Fighter ganharam pela quinta vez.

Durante os prémios fez-se uma homenagem a Taylor Hawkins, através de um pequeno vídeo com imagens do baterista dos Foo Fighters que morreu a 25 de março aos 50 anos. Fez-se ainda um tributo a todos os que fazem parte da indústria musical e morreram este ano. Depois, seguiu-se uma atuação com Cynthia Erivo, Leslie Odom Jr., Ben Platt e Rachel Zegler, que cantaram Not a Day Goes By e Send in the Clowns.

Trevor Noah voltou a ser o apresentador da 64º edição dos Grammy pelo seu segundo ano consecutivo. "Um apresentador tão simpático, que o trouxemos duas vezes! Vamos ao nosso rei da comédia!" lê-se no tweet da conta oficial da academia.

A verdadeira cerimónia começou com a atuação do duo Silk Sonic, um dos grandes premiados da noite. A música Leave the Door Open do duo ganhou as quatro categorias para as quais estavam nomeados: Gravação do Ano, Música do Ano, Melhor Música de R&B e Melhor Atuação de R&B. O cantor Bruno Mars, que faz parte dos Silk Sonic, é o segundo artista na história dos Grammy a vencer o prémio Gravação do Ano pela terceira vez. "Nós estamos a tentar permanecer humildes a este ponto." disse Anderson Paak entre risos, durante o discurso do prémio Gravação do Ano.

Olivia Rodrigo atuou Drivers License. Começou a atuação sentada ao volante de Mercedes branco e o palco recreava uma rua de bairro típico norte-americano durante a noite. A jovem de 19 anos foi a terceira artista mais nova a receber o Melhor Artista Revelação. E este ano levou mais dois Grammy para casa (Melhor Atuação Pop e Melhor Álbum Pop).

Tony Bennett e Lady Gaga ganharam o Melhor Álbum tradicional de Pop com a música Love for Sale, sendo a 14º vitória do artista nesta categoria. Tony Bennett não esteve presente na cerimónia mas foi possível ver Lady Gaga atuar num registo diferente do que estamos habituados com Love for sale e Do I love you com banda e imagens de Tony Bennett.

A banda sul-coreana, BTS, levou para o palco uma versão da música Butter com a temática de agente secretos, mais propriamente James Bond e Missão Impossível. Entre cartas, lasers e coreografia com casacos, incluíram também uma pequena interação com Olivia Rodrigo e uma versão alargada da coreografia.

Houve também espaço para um tributo aos que morreram na guerra da Ucrânia. O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky apelou, através de um vídeo pré-gravado, para todos continuarem a apoiar a Ucrânia e mencionou também que os cantores ucranianos passaram agora a cantar em hospitais. "Os nossos músicos vestem armadura, em vez de fatos. Eles cantam para os feridos nos hospitais." disse no vídeo.

Seguiu-se uma atuação de John Legend com a música Free. A ele se juntaram três artistas ucranianas: Siuzanna Iglidan, que tocou um instrumento tradicional ucraniano, bandura; Mika Newton, cantora ucraniana e por último, Lyuba Yakimchuk, uma poetisa ucraniana.

Billie Eilish vestiu uma t-shirt que fazia referência ao baterista da banda Foo Fighters, durante a sua atuação da música Happier Than Ever. O palco transformou-se numa casa ao contrário. Quando a artista sobe para o telhado, começa a chover e junta-se a ela o seu irmão mais velho Finneas na guitarra e um baterista.

O prémio do Melhor Álbum do Ano foi atribuído a We are de Jon Batiste, que esteve nomeado para onze categorias diferentes das quais ganhou cinco. "Não existe melhor músico, melhor artista, melhor dançarino, ou melhor ator. As artes criativas são subjetivas e chegam às pessoas num ponto em que elas mais precisam", afirmou o músico no seu discurso.

Freedom foi a música com que o artista subiu ao palco, transmitindo muita cor, dança, energia e acompanhado de um coro e dançarinos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG