"Pretty Woman" agora em versão musical em Londres

Três décadas depois, o filme 'Pretty Woman: Um Sonho de Mulher', com Julia Roberts e Richard Gere, deu origem a um musical e está em cena em Londres até janeiro de 2021. Na era do movimento #MeToo, o musical recebeu algumas críticas.

O filme Pretty Woman: Um Sonho de Mulher, que surpreendeu os espetadores nos anos 90 e que ainda hoje é um êxito, chegou este ano à sala de espetáculo do Piccadilly Theatre, em Londres, sob a forma de musical. A direção e coreografia de Pretty Woman: The Musical ficou a cargo de Jerry Mitchell, vencedor, por duas vezes, do Prémio Tony.

Pretty Woman (o filme) retrata o encontro de Vivian Ward, uma prostituta que tenta sobreviver nas ruas movimentadas de Los Angeles, com Edward Lewis, um empresário de sucesso. O que começa como um negócio, rapidamente se transforma numa história de amor.

Nesta versão, com música de Bryan Adams e Jim Vallance, os atores Richard Gere e Julia Roberts foram "trocados" por Danny Mac e Aimie Atkinson, respetivamente.

No entanto, o musical que alcançou o sucesso, em 2018, quando estreou na Broadway, em Nova Iorque, tem sofrido com as críticas do movimento #MeToo. Apesar do desempenho de Aimie Atkinson lhe valer alguns elogios e da tentativa de (subtilmente) modernizar a personagem Vivian, esta história ao estilo da Cinderela, parece não agradar a todos, principalmente a quem defende o empoderamento da mulher. Natasha Tripney, do The Stage, foi mais longe na crítica que fez ao musical, dando importância ao facto do espetáculo ser maioritariamente "dominado" pelo sexo masculino - destacando: Mitchell (diretor), Bryan Adams e os escritores do livro original, Gary Marshall e J. F. Lawton - tornando-se assim difícil uma aproximação ao público feminino moderno. Tripney disse ainda que "o formato musical garante, pelo menos, um vislumbre da vida de Vivian, enquanto, que no filme, a personagem, está presente apenas para ser olhada, como o título indica".

"Conseguirá a história conquistar-nos ainda? Não propriamente", escreveu Arifa Akbar, no The Guardian, dizendo que se trata de um espetáculo "superficial e insípido".

Segundo alguns críticos, Pretty Woman: The Musical conseguiu, mesmo assim, manter a essência do filme de 1990 (que lançou a carreira de sucesso de Julia Roberts), através dos cenários, do guarda-roupa e de todas as personagens características deste. O espetáculo promete romance e muita música, mesmo ao estilo da Broadway.

Pretty Woman: The Musical está em cena no Piccadilly Theatre até 2 de janeiro de 2021.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG