Manuscrito de "Hey Jude" vendido por mais de 800 mil euros

Meio século depois do fim de uma das mais famosas bandas de todos os tempos, objetos que pertenceram aos "fabulous four" foram a leilão. E bateram recordes

O manuscrito da intemporal canção "Hey Jude", dos Beatles, criada por Paul McCartney em 1968, foi adquirido em leilão pelo astronómico valor de 731 mil libras (cerca de 832 mil euros), por um comprador cuja identidade não foi revelada.

O manuscrito, uma simples folha de papel com a letra da canção escrita pelo punho de McCartney, era uma das 250 parcelas a leilão, entre diferentes objetos, papéis e até instrumentos musicais dos "fabulous four" de Liverpool, que há meio século puseram fim à sua banda, deixando inconsoláveis milhões de fãs nos quatro cantos do mundo.

Paul McCartney contou um dia que escreveu a canção para consolar Julian, o filho de John Lennon, que acabara de se divorciar da mãe da criança.

"Eu dava-me muito com o Julian. Um dia ia no meu carro vagamente a cantar esta canção Hey Jules, don"t make it bad... e depois pensei que era melhor Jude", contou McCartney, citado na BBC News.

O manusctrito de "Hey Jude" foi a peça mais cara, que acabou comprada por um preço muito superior ao que era esperado, de 128 mil libras (145,7 mil euros). Mas outras peças atingiram também valores de respeito.

A caixa grande da bateria que Ringo Star usou na primeira tourné da banda nos Estados Unidos, por exemplo, foi vendida por quase 200 mil euros e um desenho do casal Lennon-Yoko Ono, que mostra a ambos na cama quando fizeram o seu famoso e original protesto contra a guerra do Vietname, ficou ao seu comprador por 85,3 mil euros.

Meio século depois, confirma-se: a fama dos Beatles não esmorece.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG