João Gilberto. Um dos pais da bossa nova morre aos 88 anos

Guitarrista vivia há anos recluso e com problemas de saúde e a meio de uma disputa familiar.

Foi o autor de Chega de saudade, disco de 1958 que influenciou "toda uma geração de arranjadores, guitarristas, músicos e cantores", como disse Tom Jobim. João Gilberto encontrava-se há anos com a saúde debilitada e os familiares envolvidos numa disputa relativa à sua tutela.

Nascido há 88 anos na Bahia, cedo mostrou ouvido apurado. Aos 14 anos recebeu a primeira guitarra. Quatro anos depois dedica-se profissionalmente à música.

Em 1953 gravou a primeira composição, Você esteve com meu bem, com Russo do Pandeiro. Em 1957, Gilberto muda-se para o Rio de Janeiro e dá-se a explosão da bossa nova, com Chega de saudade, canção escrita por Vinicius de Moraes (letra) e Tom Jobim (música), primeiro em formato single, e depois no longa duração homónimo, já em 1959.

Nesse mesmo ano casou-se com a cantora Astrud Gilberto, com quem teve o filho João Marcelo.

No ano seguinte grava O amor, o sorriso e a flor. O LP, com o tema Samba de uma nota só, de Tom Jobim, marca a chegada da bossa nova a outros mercados, como o norte-americano. O ritmo original de João Gilberto é motivo de curiosidade por parte dos inovadores do jazz. É com um deles, Stan Getz, que grava os discos Getz/Gilberto e Getz/Gilberto #2, tendo o primeiro sido premiado nos Grammy.

João Gilberto continua a sua carreira entre Nova Iorque e o Rio de Janeiro nas décadas de 60 e 70. Do segundo casamento, com a cantora Miúcha, nasce Isabel, Bebel Gilberto para o mundo.

Regressa em definitivo ao Brasil em 1979, onde é recebido como um mestre. Grava o disco Brasil, com Caetano Veloso, Gilberto Gil e Maria Bethânia. Da sua longa carreira, destaque ainda para o reencontro em palco com Tom Jobim 30 anos depois, o Show Número 1, ou João Voz e Violão, em 2000, que foi agraciado com o Grammy na categoria de World Music.

Nas suas digressões passou várias vezes por Portugal - e da forma como mais gostava de se apresentar em palco: sentado num banco, só com a companhia da guitarra.

Considerado um génio e apodado de mito, perfeccionista e exigente, tornou-se um recluso nos últimos anos de vida. A situação agravou-se em 2011, quando João Gilberto anunciou que faria uma digressão comemorativa do 80.º aniversário pelo Brasil. Mas os concertos foram cancelados por motivos de saúde e o músico foi obrigado a indemnizar a produtora, pelo que se juntaram problemas financeiros aos de saúde.

A neta Sofia Gilberto publicou há três dias no Facebook fotos do avô.

A ex-mulher Miúcha, os filhos João Marcelo e Bebel e a ex-companheira Claudia Faissol envolveram-se numa disputa que chegou a tribunal, sobre a tutela de João Gilberto, mas não houve entendimento.

"O que ninguém esperava era que o artista brasileiro que mais controlo exerceu sobre sua arte -- nos discos de João Gilberto não se ouve um único som que não tenha tido sua aprovação -- visse escapar esse controlo justamente sobre sua vida", escreveu Ruy Castro no ano passado, no DN, o autor que escreveu Chega de Saudade -- A história e as histórias da Bossa Nova.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.