Roger Waters escreve a Conan Osíris e queixa-se de não ter resposta

O ex vocalista dos Pink Floyd escreveu este sábado uma carta aberta, no Instagram, ao vencedor do Festival da Canção português, elogiando-o e pedindo-lhe para, em solidariedade com os palestinianos, não ir à final em Israel. Waters singulariza Conan entre os 42 vencedores nacionais, intitulando-o "jovem e talentoso cantor" e diz que lhe escreveu uma carta pessoal mas não obteve resposta. No Instagram de Conan, há quem lhe pergunte: "Vais responder ao Rogério Águas?"

"Ou acreditamos nos direitos humanos -- e espero que todos acreditemos nesta sala -- ou não acreditamos. Mas se acreditamos não podemos aceitar que umas pessoas tenham direitos humanos e outras não." No vídeo que colocou este sábado no Instagram, o ex líder dos Pink Floyd, Roger Waters, dirige estas palavras ao público de um concerto, mas é aos 42 finalistas das edições nacionais da Eurovisão que o post as endereça. Em grafismo, lê-se: "Vocês são os 42 finalistas da Eurovisão. Um de vocês tem de tomar uma posição. Vais ser tu?"

No texto da publicação, Waters singulariza o concorrente português entre os 42: "Uma carta aberta a Conan Osíris e aos outros 41 finalistas do concurso da Eurovisão". E explica que escreveu uma carta pessoal ao autor de Telemóveis a pedir-lhe para tomar uma posição pública pela vida contra a morte e pelos direitos humanos contra os erros humanos ("for human rights over human wrongs", um trocadilho de difícil tradução), boicotando a final em Tel Aviv a 14 e 18 de maio.

"Há alguns dias, escrevi uma carta pessoal a um jovem e talentoso cantor português, Conan Osíris. "Ele tinha acabado de ganhar o direito a representar Portugal na final do concurso da Eurovisão. Ouvi a sua canção, e pedi que ma traduzissem. É sobre usar o telemóvel para fazer perguntas sobre a vida e a morte e o amor. É muito profunda."

"Há alguns dias, escrevi uma carta pessoal a um jovem e talentoso cantor português, Conan Osíris", principia o post de Waters. "Ele tinha acabado de ganhar o direito a representar Portugal na final do concurso da Eurovisão, e disse-se que ainda não tinha decidido se ia ou não a Tel Aviv. Ouvi a sua canção, e pedi que ma traduzissem. É sobre usar o telemóvel para fazer perguntas sobre a vida e a morte e o amor. É muito profunda."

Waters passa do elogio ao assunto que o move: "Amigos disseram-me que Conan Osíris pode juntar-se ao vasto número de artistas que estão a dar atenção ao apelo palestiniano para boicotar a Eurovisão na Tel Aviv do apartheid. Por esse motivo lhe escrevi, sugerindo-lhe que tem aqui uma oportunidade de tomar uma posição pública pela vida contra a morte e pelos direitos humanos contra os erros humanos. Como? Colocando-se ao lado dos seus irmãos palestinianos e irmãs oprimidos da Palestina. Pode mostrar solidariedade com os 189 manifestantes desarmados assassinados pelos snipers israelitas só no ano passado, incluindo pelo menos 35 crianças. Mas como pode o nosso irmão Conan tomar esta posição? Recusando participar no branqueamento daquilo que um relatório recente da ONU refere como crimes de guerra e possivelmente crimes contra a humanidade cometidos por Israel, e abstendo-se de fornecer a sua arte para "lavar" ["art-wash", outro trocadilho de tradução impossível] a sistemática limpeza étnica das comunidades palestinianas autóctones para expandir e manter o seu Estado de apartheid."

Conan pode, continua o britânico de 75 anos, conhecido pelas suas posições políticas, tendo feito campanha contra Bolsonaro, desafiando as autoridades, nos seus concertos no Brasil, "recusar-se a atuar para a audiência segregada [de segregação racial] das finais do concurso da Eurovisão em maio. Na minha carta explico que a Eurovisão pode ser um ponto de viragem, apelando a Conan para se levantar por esta causa. É triste mas até agora ele não me respondeu."

E aqui o post de Waters muda de tom. "Há novidades, porém. Fontes credíveis dizem-me que o jovem Conan foi abordado pessoalmente e persuadido a ir à final por uma organização intitulada Creative Community for Peace [CCfP - Comunidade Criativa pela Paz]. Ahhh! Para quem não saiba, CCfP foi denunciada como uma subsidiária das organizações de propaganda Stand With Us e Israel Emergency Fund, apoiadas pelo governo de extrema-direiat israelita." E acrescenta: "Leia mais aqui", deixando um link para o seu Facebook.

"Conan pode recusar-se a atuar para a audiência segregada [de segregação racial] das finais do concurso da Eurovisão em maio. Na minha carta explico que a Eurovisão pode ser um ponto de viragem, apelando a Conan para se levantar por esta causa. É triste mas até agora ele não me respondeu."

17 horas após ser postado, o vídeo tem já quase 30 mil visualizações e 103 comentários, nos quais vários portugueses taggam Conan.(ou seja, chamam-lhe a atenção para o post de Waters). Num dos comentários lê-se: "Está a dirigir-se ao artista errado. Tente a Islândia, pode ter sorte. Não tente fazer de Conan uma marioneta política quando já há no concurso quem tenha uma forte agenda política."

Desde que o post de Waters foi publicado, Conan já fez duas publicações no Instagram, sem qualquer referência ao post e aos apelos de Waters, apesar de nos comentários haver quem lhe peça para responder "ao Rogério Águas" e quem se espante: "Conan nem acredito que andas a receber mensagens privadas do Roger Waters... que sorte." Há também quem diga: "Se os israelitas têm medo de bombas, preparem-se para a nossa. Vamos Conan."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.