Revisitar luta dos "partisans" na Jugoslávia

Foi o vencedor do Grande Prémio Internacional no Doclisboa"2018: Greetings from Free Forests regressa aos lugares da II Guerra Mundial onde lutaram os "partisans" jugoslavos.

Está a chegar ao fim o ciclo de filmes do Doclisboa apresentado no cinema Ideal, em Lisboa: Greetings from Free Forests (que podemos traduzir por qualquer coisa como Saudações das Florestas Livres) revisita lugares da atual Eslovénia para redescobrir memórias da Segunda Guerra Mundial e, mais concretamente, da luta dos "partisans" em defesa da Jugoslávia face à ocupação alemã.

Realizado pelo americano Ian Soroka (nascido em Nova Iorque, em 1987), Greetings from Free Forests segue uma lógica mais ou menos televisiva, reunindo imagens e testemunhos contemporâneos, a par de materiais de arquivo cuja valor informativo e vibração emocional foram, de alguma maneira, intensificados pela passagem das décadas. Com um detalhe que, em boa verdade, é raro em televisão: as vozes do tempo presente permanecem quase sempre em off, em contraponto com as imagens (passadas ou presentes) que vamos descobrindo.

Infelizmente, o filme parece não acreditar muito no próprio sistema de linguagem que montou. Uma vezes porque tenta complementar as informações com uma locução "descritiva", também em off, que desmancha a tensão das imagens e sons que estamos a acompanhar. Outras porque a ausência física dos narradores se vai reduzindo a um "truque" algo formalista, enfraquecendo a relação com as imagens que os acompanham e, de alguma maneira, "ilustram" (o que não banaliza a beleza dos muitos recantos das florestas revisitadas).

Seja como for, nada disto anula a importância do testemunho histórico, e tanto mais quanto somos levados a recordar capítulos da história europeia da guerra a que nem sempre se dá a devida atenção (cinematográfica ou televisiva). Greetings from Free Forests ganhou o Grande Prémio Cidade de Lisboa para Melhor Filme da Competição Internacional no DocLisboa"2018 - está em exibição no Ideal, até 24 de Julho, sempre às 19h00.

* * Com interesse

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.