Obra de James Baldwin chega a Portugal 30 anos após a sua morte

Pela primeira vez, a obra do escritor norte-americano James Baldwin vai estar disponível em Portugal, com a publicação, na terça-feira, do romance Se esta rua falasse, escrito há mais de 40 anos e agora editado pela Alfaguara

Mais de 30 anos após a morte do escritor e ativista James Baldwin, e um ano depois da estreia do documentário Eu não sou o teu Negro, que adapta um dos seus livros, a obra daquele que é considerado um dos nomes maiores da literatura americana e uma das vozes mais influentes do movimento dos direitos civis vai ser publicada em Portugal, com a sua entrada no catálogo da Alfaguara, chancela do grupo Penguin Random House.

Segundo a editora, Se esta rua falasse (If Beale Street Could Talk, no original) é um romance "sensual, violento e profundamente comovente", uma "bela canção de blues, de toada doce-amarga, com notas de raiva e ainda assim cheia de esperança".

Publicado pela primeira vez em 1974, este é o quinto romance de James Baldwin, um "romance-manifesto" contra a injustiça da justiça e uma história de amor intemporal, tão pertinente e comovente hoje, como no dia da sua publicação, descreve a editora.

O livro narra a história de amor de um casal, que se vê forçado à separação, quando o rapaz é preso sob uma falsa acusação de violação.

Na mesma altura, a rapariga descobre estar grávida e enceta uma luta, com a ajuda da família e de um advogado, para conseguir provar a inocência do noivo antes do nascimento do filho.

A Alfaguara tem já prevista também a edição, em 2019, do livro Go tell it on the Mountain, o romance de estreia de Baldwin, escrito em 1953, que na altura foi recebido com excelentes críticas.

Romancista, ensaísta, dramaturgo, poeta e crítico social norte-americano, James Baldwin, negro e homossexual assumido, nasceu em Nova Iorque em 1924 e desde cedo se bateu contra o racismo e a discriminação social, em nome da defesa dos direitos dos negros e dos homossexuais.

Esta luta travou-a na vida e na escrita, tendo publicado, até à morte, ocorrida em 01 de dezembro de 1987, mais de 20 livros, entre ensaios, romances, contos, poemas e peças.

Uma dessas obras é um manuscrito incompleto, que se intitularia Remember This House, no qual o realizador Raoul Peck se inspirou para criar um filme que traça uma viagem à história negra norte-americana, ligando o passado do Movimento dos Direitos Civis ao presente do movimento ativista Black Lives Matter.

O filme cumpre o desejo manifestado em vida por James Baldwin de contar a história do racismo nos Estados Unidos, com relatos sobre as vidas de três amigos seus assassinados: os líderes ativistas Medgar Evers, Malcolm X e Martin Luther King Jr.

O documentário estreou-se em Portugal em 2017, trazendo de novo James Baldwin para a atualidade, ao ponto de outro realizador, Barry Jenkins, autor do filme vencedor do Óscar Moonlight, ter anunciado a intenção de adaptar ao cinema "Se esta rua falasse", o romance que está agora a ser lançado em Portugal.

Ao levar James Baldwin para Hollywood, os filmes trazem também à atualidade os temas que o autor sempre tratou, como as complexidades sentidas, embora não totalmente assumidas, nos anos 1950 e 1960, sobre a sexualidade e sobre a distinção de classes raciais nas sociedades ocidentais, em particular nos Estados Unidos.

O seu trabalho tem sido recuperado também por outros autores que procuram afirmar a sua relevância na atualidade como em 1967, sendo múltiplos os textos que salientam a necessidade de se ler Baldwin para compreender os Estados Unidos da América hoje, sob a presidência de Donald Trump.

As preocupações de James Baldwin em torno da condição humana são particularmente exploradas nos seus ensaios Notes of a Native Son (1955) e Nobody Knows my Name: More Notes of a Native Son (1961).

Alguns textos ensaísticos do escritor ativista assumem a dimensão de livros, como acontece com The Fire Next Time (1963), No Name in the Street (1972), e The Devil Finds Work (1976).

Ao longo da sua vida literária, James Baldwin transformou também em ficção e em peças as suas dúvidas e os seus dilemas pessoais, relacionados com as pressões sociais e também psicológicas que tornavam impossível integrar e igualar na sociedade tanto negros como homossexuais e bissexuais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."