Morreu a atriz Cremilda Gil

Tinha 91 anos. Lídia Franco reagiu à morte da colega com quem deu os primeiros passos no teatro

Cremilda Gil, atriz com uma longa carreira em televisão e teatro, morreu esta sexta-feira, aos 91 anos, na sua casa no Alentejo. O seu último trabalho em televisão foi em 2012, no telefilme "Entre as Mulheres" da RTP1.

Ao longo de 60 anos, participou em séries como "Vila Faia", "Origens", "Cinzas", "Médico de Família", "A Loja de Camilo", "Inspetor Max", entre muitas outras.

O desaparecimento da atriz foi conhecido após uma mensagem de Lídia Franco no Facebook, onde escreveu, esta manhã: "Querida Cremilda, contigo dei os meus primeiros passos no Teatro. Obrigada e Descansa em Paz minha amiga Querida e Grande Cremilda Gil", escreveu a também atriz.

Ao DN, Lídia Franco disse estar "muito triste, sinto como se fosse a morte de um familiar muito querido", desabafou. Sobre a colega e amiga disse também que "era uma pessoa maravilhosa e uma excelente atriz".

Cremilda Gil vivia há muitos anos na aldeia de Malarranha, concelho de Mora, no Alentejo. "Ela nasceu no campo e quando decidiu ir viver para essa aldeia reencontrou-se. Foi muito feliz ali", recordou Lídia Franco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.