Está viciado no 'Fortnite'? A culpa não é sua

Um especialista britânico fez a lista de razões que colam milhões aos computadores e consolas ao jogo criado pela Epic Games,

Facto: 125 milhões de pessoas jogam Fortnite. Muitos voltam. E voltam de novo. Pergunta: O que prende tantos aos computadores e consolas?Will Lutton, britânico, designer de jogos, entre eles o muito conhecido Angry Birds, e autor do livro Free-To-Play: Making Money form Games You Give Away tem a sua tese (e acaba de publicá-la no The Guardian ).

Tudo se resume a melhorar e embrulhar de novo ideias já conhecidas, segundo Will Lutton. Um passo na evolução dos videojogos mais do que um salto, defende. "A coleção remisturada de mecânicas de gjro faz [Fortnite] parece novo e interessante."

O que torna Fortnite viciante?

Will Lutton diz que Fortnite é "pegajoso" e estas são as razões:

1. O efeito saldos

"O que mantém os jogadores de Fortnite entretidos é o saque, os objetos e armas que se podem encontrar por todo o mapa. A natureza aleatória destes achados, em qualidade e localização, leva ao que é conhecido na psicologia como reforçamento por razão variável. Uma arma ou objeto que pode conferir uma vantagem significativa pode estar sempre ao virar da esquina. A esperança em encontrar algo desejável com recompensa ocasional é excitante para os humanos: provavelmente já o experienciou nos saldos ou na pesca.

2. Prémio sempre que se começa a jogar

"Os jogadores de Fortnite têm a excitação de receber uma grande arma ou objeto em cada um dos jogos."

3. Não há um verdadeiro mau jogador

"Como encontrar equipamento tem um grande impacto no sucesso do jogo, os maus jogadores podem ter sorte e encontrar armas que lhes dão vantagem e grandes jogadores ocasionalmente morrem rapidamente porque não tiveram a sorte de encontrar o saque. Isso reduz a diferença entre os melhores e os piores jogadores tornando o jogo menos castigador e mais difícil de dominar - e mais apelativo".

4. À procura de ordem no caos

"Os seres humanos procuram instintivamente ordem no caos. (...) Quando uma pessoa é recompensada através de um bom resultado, o jogador fica feliz. (...) Quando algo falha, os jogadores experienciam uma dissonância cognitiva entre o que achavam que ia acontecer e o que aconteceu. (...) Torna-se imperativo reconciliar o que foi desligado."

5. Estatuto social

"A cada jogo há uma audiência de 100 jogadores para impressionar. Pode jogar-se ou pagar por 'peles', visuais costumizados que se aplicam tanto ao avatar do jogador ou à sua arma. (...) As peles funcionam da mesma maneira que uma carteira Louis Vuitton para mostrar sucesso, porque as peles mais desejáveis são exigem muito jogar intensivamente (ou dinheiro verdadeiro)."

"Como as casas de moda, o Fortnite limita o número de peles por temporada. Quando uma nova começa - e a sexta arranca em breve - um novo conjunto de peles é disponibilizado, e os jogadores têm de correr para encontrar o melhor antes que a temporada acabe e as recompensas sejam perdidas. É uma razão poderosa para os jogadores voltarem ao Fortnite."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.