Está viciado no 'Fortnite'? A culpa não é sua

Um especialista britânico fez a lista de razões que colam milhões aos computadores e consolas ao jogo criado pela Epic Games,

Facto: 125 milhões de pessoas jogam Fortnite. Muitos voltam. E voltam de novo. Pergunta: O que prende tantos aos computadores e consolas?Will Lutton, britânico, designer de jogos, entre eles o muito conhecido Angry Birds, e autor do livro Free-To-Play: Making Money form Games You Give Away tem a sua tese (e acaba de publicá-la no The Guardian ).

Tudo se resume a melhorar e embrulhar de novo ideias já conhecidas, segundo Will Lutton. Um passo na evolução dos videojogos mais do que um salto, defende. "A coleção remisturada de mecânicas de gjro faz [Fortnite] parece novo e interessante."

O que torna Fortnite viciante?

Will Lutton diz que Fortnite é "pegajoso" e estas são as razões:

1. O efeito saldos

"O que mantém os jogadores de Fortnite entretidos é o saque, os objetos e armas que se podem encontrar por todo o mapa. A natureza aleatória destes achados, em qualidade e localização, leva ao que é conhecido na psicologia como reforçamento por razão variável. Uma arma ou objeto que pode conferir uma vantagem significativa pode estar sempre ao virar da esquina. A esperança em encontrar algo desejável com recompensa ocasional é excitante para os humanos: provavelmente já o experienciou nos saldos ou na pesca.

2. Prémio sempre que se começa a jogar

"Os jogadores de Fortnite têm a excitação de receber uma grande arma ou objeto em cada um dos jogos."

3. Não há um verdadeiro mau jogador

"Como encontrar equipamento tem um grande impacto no sucesso do jogo, os maus jogadores podem ter sorte e encontrar armas que lhes dão vantagem e grandes jogadores ocasionalmente morrem rapidamente porque não tiveram a sorte de encontrar o saque. Isso reduz a diferença entre os melhores e os piores jogadores tornando o jogo menos castigador e mais difícil de dominar - e mais apelativo".

4. À procura de ordem no caos

"Os seres humanos procuram instintivamente ordem no caos. (...) Quando uma pessoa é recompensada através de um bom resultado, o jogador fica feliz. (...) Quando algo falha, os jogadores experienciam uma dissonância cognitiva entre o que achavam que ia acontecer e o que aconteceu. (...) Torna-se imperativo reconciliar o que foi desligado."

5. Estatuto social

"A cada jogo há uma audiência de 100 jogadores para impressionar. Pode jogar-se ou pagar por 'peles', visuais costumizados que se aplicam tanto ao avatar do jogador ou à sua arma. (...) As peles funcionam da mesma maneira que uma carteira Louis Vuitton para mostrar sucesso, porque as peles mais desejáveis são exigem muito jogar intensivamente (ou dinheiro verdadeiro)."

"Como as casas de moda, o Fortnite limita o número de peles por temporada. Quando uma nova começa - e a sexta arranca em breve - um novo conjunto de peles é disponibilizado, e os jogadores têm de correr para encontrar o melhor antes que a temporada acabe e as recompensas sejam perdidas. É uma razão poderosa para os jogadores voltarem ao Fortnite."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.