Cartoon de António acusado de antissemitismo. NYTimes pede desculpas por o publicar

Jornal americano sofreu enxurrada de críticas, a começar pelo filho do presidente americano, depois de publicar cartoon de António. Para uns, a metáfora é exata, mas um colunista do New York Times diz que ilustração estaria bem num jornal nazi.

Um cartoon do português António irritou Donald Trump Jr., filho do presidente americano, Donald Trump, e levou o jornal New York Times, que o tinha publicado, a pedir desculpas e a retirar a ilustração, por alegadamente ser antissemita. O cartoon mostra um homem cego, Donald Trump, a ser levado por um cão-guia, com o rosto do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, com uma coleira que tem a estrela de David.

Segundo a CNN, houve uma enxurrada de críticas, com acusações generalizadas de antissemitismo, à publicação na edição internacional de quinta-feira do jornal americano do cartoon. Este domingo, depois de retirar a imagem, o New York Times disse que lamentava profundamente a sua publicação.

O desenho surgiu na secção de opinião da edição impressa internacional do jornal, ao lado de uma coluna de Thomas Friedman sobre imigração. O filho do presidente americano reagiu no Twitter, acusando o NYTimes: "Repugnante. Não tenho palavras para o antissemitismo flagrante mostrado aqui. Imagine que isto estava noutro lado que não um jornal de esquerda?" E Donald Trump Jr. republicou tweets de outras pessoas que acusavam o cartoon de antissemitismo.

O jornal também afirmou que a ilustração, no seu pedido de desculpas, tinha um sentido figurado antissemita, adiantando que vai avançar com "mudanças significativas" no seu processo de tomada de decisão de publicação, na sequência do caso.

Será caso para tanto? Para um colunista do jornal, é. Bret Stephens compara mesmo o cartoon a uma qualquer ilustração nazi. "Aqui estava uma imagem que, noutra época, poderia ter sido publicada nas páginas do Der Stürmer", escreveu, referindo-se a um semanário nazi descrito como "veementemente antissemita". "O judeu na forma de um cão. O pequeno mas astuto judeu liderando o mudo e confiante americano. O odiado Trump 'judaizado' com uma quipá. O servo nominal agindo como o verdadeiro mestre. O cartoon confirmou tantos chavões antissemitas que a única coisa que faltava era um cifrão", descreve o antigo chefe de redação do jornal israelita Jerusalem Post.

Bret Stephens apelida de ignorantes quem decidiu a sua publicação - e por arrastamento o autor, que nunca é identificado, nem neste texto, nem no pedido de desculpas do New York Times. "O problema com o cartoon não é que sua publicação tenha sido um ato deliberado de antissemitismo. Não foi. O problema é que sua publicação foi um ato surpreendente de ignorância do antissemitismo - e isto numa publicação que é hipervigilante para quase todas as expressões concebíveis de preconceito, desde a compensação do homem a microagressões raciais e transfobia".

No espaço de comentários do artigo de Stephens, há quem defenda o cartoon: "Para mim é uma sátira apropriada e não é antissemita e eu sou judeu. Nos cartoons políticos, as pessoas são frequentemente representadas como animais - e não de forma complementar. É suposto os cartoons políticos serem indelicados. Acredito que a metáfora é exata, e que o sr. Stephens está chateado com a representação de Israel, não com a representação de judeus", escreve Gerson Robboy, de Portland, Oregon.

"É suposto os cartoons políticos serem indelicados. Acredito que a metáfora é exata, e que o sr. Stephens está chateado com a representação de Israel, não com a representação de judeus"

O pedido de desculpas do NYTimes foi feito no domingo à tarde, depois de, numa declaração anterior, afirmar que tinha errado ao publicar um desenho com "tropos antissemíticos". Mas essa declaração não continha nenhum pedido de desculpas. Só mais tarde o jornal o fez: "Lamentamos profundamente a publicação de uma caricatura política antissemita na última quinta-feira na edição impressa do The New York Times que circula fora dos Estados Unidos, e estamos comprometidos em garantir que nada disto volte a acontecer novamente."

Segundo o comunicado, "tais imagens são sempre perigosas, e num momento em que o antissemitismo está em ascensão em todo o mundo, é ainda mais inaceitável".

O jornal disse que a decisão de publicar o cartoon partilhado na rede New York Times News Service and Syndicate foi feita por um único editor que decidiu sem supervisão adequada. "O assunto continua sob avaliação e estamos a analisar os nossos processos internos e de formação." O jornal já tinha dito que "a imagem era ofensiva, e foi um erro de julgamento publicá-la".

António é cartoonista no jornal Expresso. Em 1992, um cartoon que mostrava o Papa João Paulo II com um preservativo no nariz causou forte polémica entre católicos no país. Dezassete anos depois, António repetiu o sentido da ilustração, dessa vez com Bento XVI, sem particulares sobressaltos.

O DN tentou contactar o cartoonista sem sucesso, até ao momento de publicação deste texto.

Exclusivos