Cat Power atua no Super Bock Super Rock

A cantora norte-americana vai integrar o cartaz da 25.ª edição do festival Super Bock Super Rock (SBSR), a decorrer entre 18 e 20 de julho de 2019, no Meco, e atua no mesmo dia que Lana Del Rey

Cat Power atuará no primeiro dia do SBSR, no Palco Super Bock, sucedendo a Lana Del Rey, a primeira confirmação do festival, anunciada no passado mês de dezembro, que atuará no mesmo dia, anunciou a promotora Música no Coração.

A atuação de Cat Power deverá centrar-se em Wanderer, o seu mais recente trabalho, editado em 2018, "uma espécie de síntese de todos os anteriores", segundo a promotora, álbum em que conta com a participação de Lana Del Rey, na canção Woman. As duas a

Os outros nomes já anunciados para o festival são The 1975, Metronomy, Kaytranada, Charlotte Gainsbourg, FKJ e Superorganism.

O festival SBSR regressa em julho à Herdade do Cabeço da Flauta, no Meco, Sesimbra, distrito de Setúbal, depois de três anos em Lisboa, no Parque das Nações.

"A 18, 19 e 20 de julho, o Super Bock Super Rock regressa ao cenário idílico junto à praia do Meco, o novo, mas já familiar ponto de encontro para milhares de amantes de música", escreveu a promotora.

Segundo a Música no Coração, "o local onde estará instalado o recinto de concertos é um terreno diferente daquele que o público já conhece das edições anteriores e onde existe já um tapete de vegetação, que será agora tratado de modo a assegurar um piso verde natural, onde estarão instalados os vários palcos".

Os portadores do passe de três dias poderão acampar, "desde a quarta-feira anterior ao início do festival e até domingo", ou seja, de 17 a 21 de julho.

A primeira edição do SBSR aconteceu em 1995 na Gare Marítima de Alcântara, em Lisboa. Depois disso, o festival decorreu, entre outros, no Passeio Marítimo de Algés, em Oeiras, no Parque Tejo e no Parque das Nações, ambos em Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.