As Cartas Portuguesas de amor que inspiraram Rilke fazem 350 anos

As Cartas Portuguesas de Soror Mariana Alcoforado foram publicadas há exatamente 350 anos. Em Beja, vai ser inaugurada esta sexta-feira a exposição "100 Passos", entre um vasto programa de atividades que celebram a freira.

A primeira edição, em francês, de As Cartas Portuguesas de Soror Mariana Alcoforado, é de 4 de janeiro de 1669. O editor foi Claude Barbin e, na altura, a autora ainda não estava identificada. Mas aquelas cinco cartas de amor (e de sofrimento) enviadas pela freira portuguesa ao cavaleiro Noël Bouton de Chamilly ganharam o seu lugar na história da literatura. 350 anos, a data é assinalada em Beja, a terra de Mariana Alcoforado, com a inauguração da exposição 100 Passos.

"A exposição chama-se 100 Passos referindo-se a este espaço em que Mariana Alcoforado se movimentou: o palácio onde morou, a igreja de Santa Maria onde foi batizada, o Convento de Nossa Senhora da Conceição onde foi internada aos 11 anos e onde passou toda a sua vida, são todos locais muito próximos", explica ao DN Francisco Paixão, diretor do Museu Regional de Beja. Mariana estava confinada a um espaço pequeno mas tinha o olhar lá longe.

A exposição vai mostrar pela primeira vez o registo de batismo de Mariana Alcoforado e outros documentos relacionados com a sua vida, assim como obras de arte da época. "Ela era a segunda filha de uma família abastada e, como era comum, o primeiro filho herdava quase tudo e a segunda filha era internada num convento com um dote, como num casamento. O dote de Mariana Alcoforado foi bastante grande e permitiu ao convento fazer alguns melhoramentos que ainda hoje são visíveis como a azulejaria, a talha dourada, aquisição de algumas obras de arte", explica Francisco Paixão.

A exposição poderá ser visitada até ao último dia de 2019. Ao longo do ano, a Câmara Municipal de Beja está a planear outras atividades relacionadas com Soror Mariana Alcoforado, como uma exposição de filatelia e concertos. A segunda edição do Festival B, que acontece de 27 a 30 de junho na cidade, também será dedicado a esta figura (a programação será divulgada em março). "Esta exposição é só o ponto de partida para as comemorações", diz o diretor do museu.

Mariana Alcoforado nasceu em Beja no ano de 1640 e foi batizada na Igreja de Santa Maria, no dia 22 de abril do mesmo ano. Foi seu padrinho D. Francisco da Gama, conde da Vidigueira e bisneto de Vasco da Gama. Após o noviciado, professou aos 16 anos exercendo, posteriormente, os cargos de escrivã e vigária. A 30 de julho de 1709 foi proposta para o cargo de Abadessa do Convento, tendo sido derrotada para tão importante cargo por 48 votos a favor e 58 contra. Em março de 1723, com 83 anos de idade, assinou pela última vez um documento, relativo ao encerramento das contas do trimestre do Convento da Conceição. Morreu a 28 de julho desse ano.

Nas cartas que escreveu transparece o amor que sentia pelo marquês de Chamilly, oficial francês que lutou em Portugal durante a Guerra da Restauração. Embora os originais das cartas não tenham chegado aos nossos dias, sabemos da sua existência pela primeira edição das mesmas, datada de 4 de janeiro de 1669, em França, por Claude Barbin, com o título "Lettres Portugaises Traduites en François".

As edições sucederam-se um pouco por toda a Europa e, já em 1923, de acordo com Godofredo Ferreira, estudioso e colecionador das obras sobre as cartas, existiam 130 edições em diversas línguas: francês, inglês, italiano, alemão, espanhol, dinamarquês, holandês e português. Este amor maior, "grande de mais para um só ser", como escreveu o poeta Reiner Maria Rilke, foi fonte de inspiração para poetas, filósofos, escritores, cineastas, artistas plásticos, músicos. Para além da beleza das cartas, o exemplo de Mariana Alcoforado levanta várias questões sobre a condição de género, a posição social, a sobreposição de um destino imposto à liberdade para escolher.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?