Holanda ganhou a Eurovisão na noite em que Madonna disse a Israel e à Palestina: "acordem"

É quinta vitória da Holanda na Eurovisão. Madonna acabou por não boicotar a Eurovisão, mas não deixou o palco sem mandar uma mensagem política.

O espetáculo da final da Eurovisão começou com a vencedora do ano passado, Netta, que deu início ao desfile dos países. Pelo meio, uma paragem para ouvir outros israelitas que passaram pelo palco da Eurovisão. Dana International a cantar Diva, a canção vencedora de 1998, Ilanit, a primeira participação israelita no concurso, em 1973 e, por fim, Nadav Guedj, o representante de 2015, que terminou em nono lugar.

Holanda é a grande vencedora, 42 anos depois da última vitória do país no concurso, tendo reunido 492 pontos. Duncan Laurence cantou Arcade e desde cedo foi identificada como uma das favoritas do público. Em segundo lugar ficou Itália e em terceiro a Rússia.

Esta vitória holandesa acontece depois das vitórias em 1957, 1959 e 1969 (quando houve quatro vencedores). A última vitória foi em 1977, novamente empatados, desta vez com a França.

O Reino Unido ficou em último lugar, o que deu lugar a algumas brincadeira no Twitter, comparando a votação da Europa ao Brexit.

Depois das atuações dos vinte concorrentes, quatro ex-vencedores da Eurovisão foram desafiados a cantar músicas de outros eurofestivais da canção.

Conchita Wurst, vencedora de 2014, cantou Heros de Måns Zelmerlöw. Por sua vez, Måns Zelmerlöw, da Suécia, vencedor de 2015, cantou Fuego, de Eleni Foreira, segunda classificada, no ano passado, em Lisboa. A cantora do Chipre foi desafiada a cantar Verka Serduchka, da Ucrânia, que em 2007 ficou em segundo lugar. E esta, por sua vez teve de cantar Toy, de Netta, a canção vencedora de 2018.

A este momento mais divertido seguiu-se Gali Atari voltou para cantar Hallelujah, a segunda vitória de Israel na Eurovisão, em 1979. Como coro contou com a participação de Conchita Wurst, Måns Zelmerlöw, Eleni Foreira e Verka Serduchka.

Netta Barzilai voltou ao palco para cantar a sua nova música Nana Banana!

Madonna o nome grande da música, cuja presença nesta final há muito deixou de ser surpresa, subiu ao palco ainda antes de se conhecerem as votações. Cantou Like a Prayer, seguida de Future, música do seu trabalho lançado este mês e que canta com Quavo, que se juntou à cantora em palco. A atuação acabou com momento político. Dois bailarinos, um com a bandeira de Israel e outro com a bandeira da Palestina abraçados e no final as palavras "Wake Up" (Acordem, em português) apareceram no ecrã. Um momento que terá escapado à organização, já que não são permitidas demonstrações políticas.

Este não foi o único incidente depois de vários apelos ao boicote. A banda da Islândia, os Hatari mostraram uma bandeira da Palestina durante a divulgação dos votos.

A questão das relações entre a Palestina e Israel levaram a vários pedidos de boicote que foram dirigidos não só a Madonna, mas também aos países concorrentes, como a carta de Roger Waters dirigida a Conan Osíris. Não é a primeira vez que se fazem apelos ao boicote em festivais da Eurovisão e não foi apenas em Israel que isso aconteceu.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.