Era uma vez o cinema sem fim...

14 horas e 28 minutos de cinema ou 8 filmes diferentes com o mesmo nome? A Flor, Mariano Llinás, segundo a amostra dos primeiros dois episódios, é tão inovador como exasperante.

Mais de dez anos de filmagens para um filme de cerca de 14 horas com seis histórias, quatro delas sem direito a fim. Continuamos com os números: 4 atrizes em múltiplos papéis para oito partes (ou seja, oito diferentes sessões de cinema). Aventura art-house para o espectador e para quem o distribui. Em Portugal chega aos cinemas sem visionamentos presenciais para a imprensa e, no Trindade no Porto, em duas modalidades: a intensiva (tudo para ver nesta semana) e a normal (os episódios espalhados ao longo do mês de agosto).

Do que foi visto no arranque, as duas primeiras histórias, sente-se o peso da ambição da proposta: a desmultiplicação de histórias e a extensão do tempo em cinema. Mariano Llinás não faz a coisa por menos: se o jogo é a desconstrução do género - do musical ao "cinema francês", passando pela série B ao filme de espionagem - então o "truque" é levar a sério cada uma das aproximações e tentar encontrar a raiz dos tons. Se no arranque levamos logo com uma aventura de múmias num instituto de província, toda a narrativa sustenta-se pelas regras da coisa. Já agora, a múmia em questão vem com suposta caução de mensagem anti-colonialista e um discurso anti-machista. E aí cabe também nesta boutade de filiações ao cinema americano de terror de série B (ou Z...) um humor de surdina, capaz de sorrir com maldições a gatos negros ou com a morte por espancamento de um assediador sexual...

Mas se todo o projeto é um rastilho de histórias que brotam de si mesmas como bonecas russas, La Flor é também precisamente aquilo que As Mil e uma Noites, de Miguel Gomes, encetava: a possibilidade de o cinema abrir-se à contaminação de registos e possibilidades. Não é um "vale-tudo" nem um amontoar de episódios aleatórios, pelo menos naquilo que a segunda história nos propõe: um musical "mais ou menos" em que o melodrama esmaga três cantores embrulhados numa alhada romântica que mete também narcóticos e outros acidentes. A sensação que se fica é que Llinás acredita no poder disruptivo das emoções. Estas mulheres recorrentes gritam, cantam, choram e vivem desalmadamente. E é nessa interpelação muito táctil que pode estar o dividendo de quem quiser ficar "preso" à eternidade do convívio com estas quatro raparigas - logo no começo aparece o próprio realizador num parque público a contar ao espetador o que quer com o projeto, acabando por confessar que este é sobretudo um filme para elas, as raparigas...

A nós, público, resta ter pedalada para irmos atrás desta pista em torno das encruzilhas enfabuladas do espírito de Borges. Não deixa de ser a experiência limite desta provocação-experiência argentina. Experiência a mais? Que seja, mas é assumido, tudo pratos limpos... Boa maneira de terminar o ciclo Don't Cry for Me Argentina proposto pela Nitrato Filmes para mostrar o cinema argentino deste presente. A Flor, de forma autónoma ou em binge watching, terá sempre muitas pétalas para atrair...

dnot@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG