Cantor brasileiro Agnaldo Timóteo morre vítima de covid-19

Tinha 84 anos. Cantor de música romântica, que também andou pela política, estava internado desde 17 de março.

O cantor brasileiro Agnaldo Timóteo, que gravou 64 discos ao longo da sua carreira, morreu este sábado, aos 84 anos, vítima de covid-19. Estava internado desde 17 de março e ligado ao ventilador desde o dia 27.

"É com imenso pesar que comunicamos o falecimento do nosso querido e amado Agnaldo Timóteo. Agnaldo Timóteo não resistiu às complicações decorrentes da covid-19 e faleceu hoje às 10h45. Temos a convicção que Timóteo deu o seu melhor para vencer essa batalha e a venceu. Agnaldo Timóteo viverá eternamente em nossos corações", disse a família, segundo a Agência Brasil.

Segundo os médicos, citados pelo G1, contraiu o coronavírus no intervalo entre a primeira e a segunda dose da vacina.

Natural de Minas Gerais, Agnaldo Timóteo mudou-se para o Rio de Janeiro atrás de uma carreira musical, tendo gravado o primeiro disco aos 25 anos.

O grande salto da sua carreira surgiu com o disco Obrigado Querida, de 1967, com a canção Meu Grito, de Roberto Carlos, ficando em primeiro lugar nas principais rádios do país. O disco veio ainda com dois grandes sucessos da sua carreira: Mamãe Estou Tão Feliz (Mamma) e Os Verdes Campos da Minha Terra.

No campo da política, foi eleito deputado federal em 1982, com mais de 500 mil votos. E voltaria a ser eleito em 1995. Pelo meio tentou, sem sucesso, uma candidatura a governador do Rio de Janeiro. Em 1997, foi eleito vereador desta cidade, antes de se mudar para São Paulo, onde também foi vereador. Desde 2012, que tinha deixado a carreira política- que incluiu passagem por cinco partidos - para se dedicar de novo à música.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG