Morreu a lontra marinha 'Amália'

Era um dos ícones do Oceanário e, nos últimos 16 anos, foi admirada por mais de 17 milhões de pessoas. Já tinha muita idade e morreu esta madrugada

"Amália", a carismática lontra marinha que era um dos ícones do Oceanário de Lisboa, morreu esta madrugada, informou a instituição, sublinhando que este "desfecho era esperado, pela sua idade avançada, tal como aconteceu com a lontra macho "Eusébio", há três anos".

A famosa lontra, que fez as delícias dos visitantes do Oceanário nos últimos 16 anos, chegou ali já em idade adulta, proveniente do Alasca e, desde então, foi vista por mais de 17 milhões de pessoas de todo o mundo e fotografada milhares de vezes. "Embaixadora da sua espécie", Amália foi também "protagonista de diversos programas educativos, visitas guiadas, documentários e artigos", dizem os responsáveis do Oceanário.

"Pela sua idade avançada observávamos já sinais de envelhecimento natural. Sabemos que, em média, as lontras marinhas podem viver cerca de 20 anos e pelas nossas estimativas esta já teria ultrapassado essa idade", afirma a bióloga e Curadora do Oceanário de Lisboa, Núria Baylina, citada num comunicado da instituição. A morte de "Amália", sublinha a especialista, "foi uma perda enorme para o Oceanário, pois este era um dos nossos animais mais emblemáticos, acarinhado por toda a equipa e pelo público em geral".

"Amália"e "Eusébio" formaram até há três anos, quando "Eusébio" morreu, o mediático casal de lontras marinhas do Oceanário e deixaram descendência, o que, segundo os responsáveis da instituição, é pouco comum em aquários públicos.

"Maré" e "Micas", duas das suas crias, ambas fêmeas e agora com 15 e 12 anos, respetivamente, estiveram durante anos no Jardim Zoológico de Roterdão, "no âmbito de um programa de conservação" para procriação, cujo objetivo "é garantir a existência de uma população geneticamente saudável em cativeiro".

As duas regressaram ao Oceanário em 2010, cumprindo agora o papel de embaixadoras da sua espécie, que já foi dos seus progenitores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?