Astrónomos detetam buraco negro fora da Via Láctea a partir de movimento de estrela

O buraco negro está situado a cerca de 160 mil anos-luz da Grande Nuvem de Magalhães, uma galáxia vizinha da Via Láctea.

Astrónomos descobriram um pequeno buraco negro fora da Via Láctea ao detetarem pela primeira vez como este corpo celeste influencia o movimento de uma estrela na sua vizinhança, divulgou esta quinta-feira o Observatório Europeu do Sul (OES).

O buraco negro, que por definição é um corpo denso e escuro de onde nada escapa, nem mesmo a luz, situa-se no enxame de estrelas NGC 1850, situado a cerca de 160 mil anos-luz da Grande Nuvem de Magalhães, uma galáxia vizinha da Via Láctea.

Para a equipa internacional de astrónomos que fez a descoberta, a forma como foi detetado o buraco negro "pode ser crucial" para identificar outros buracos negros que estejam "escondidos" na Via Láctea e em galáxias próximas, bem como para dar pistas sobre como se formam e evoluem, refere em comunicado o OES, cujo espectroscópio MUSE do telescópio VLT, no Chile, permitiu fazer as observações.

"Cada deteção que fizermos será importante para compreendermos melhor os enxames estelares e os buracos negros que aí se encontram", afirma, citado no comunicado, um dos coautores do estudo, Mark Gieles, da Universidade de Barcelona, em Espanha.

O buraco negro em causa tem cerca de 11 vezes a massa do Sol, tendo os astrónomos chegado até ele através da influência gravitacional que exerce numa estrela com cinco massas solares que o orbita. O enxame estelar onde foi detetado é jovem, tem cerca de 100 milhões de anos.

Ao comparar este buraco negro com buracos negros maiores e mais velhos, situados em enxames estelares mais velhos, os astrónomos poderão entender como é que estes corpos crescem, alimentando-se de estrelas ou fundindo-se com outros buracos negros, realça o OES, organização astronómica da qual Portugal faz parte, acrescentando que "mapear a demografia de buracos negros em enxames estelares melhorará a compreensão da origem de fontes de ondas gravitacionais".

Os astrónomos esperam descobrir mais buracos negros "escondidos" com o futuro telescópio ELT, em construção no Chile com o envolvimento de ciência e tecnologia portuguesas, e que será o maior telescópio ótico do mundo.

"O ELT irá revolucionar definitivamente esta área de estudo, já que conseguiremos observar estrelas consideravelmente mais ténues no mesmo campo de visão, assim como procurar buracos negros em enxames globulares [aglomerados de milhares de estrelas] muito mais distantes", sustenta a líder do estudo, Sara Saracino, do Instituto de Investigação Astrofísica da Universidade John Moores de Liverpool, no Reino Unido.

O estudo, que recorreu ainda a dados do projeto Experiência de Lentes Gravitacionais Óticas da Universidade de Varsóvia, na Polónia, e do telescópio espacial Hubble para medir a massa do buraco negro no enxame estelar 'NGC 1850', foi publicado na revista da especialidade Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG