Metro de Lisboa já não vai parar esta semana

A greve dos trabalhadores do metropolitano de Lisboa, prevista para 6 e 8 de novembro, foi desconvocada.

A greve do Metropolitano de Lisboa agendada para terça e quinta-feira, que decorreria em pleno período de realização da Web Summit, foi desconvocada esta segunda-feira, disse à Lusa Nuno Fonseca, do Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes.

Em declarações à Lusa, Nuno Fonseca avançou que a greve foi desconvocada após um plenário de trabalhadores.

"Ontem [domingo] recebemos uma proposta do Conselho de Administração em relação às negociações que estavam a decorrer. A proposta foi sufragada em plenário geral de trabalhadores e, apesar de não ir de encontro à totalidade das pretensões dos trabalhadores, foi aprovada pelos mesmos e dá azo a que se desconvoquem as greves que estavam anunciadas para 06 e 08 deste mês", explicou o sindicalista.

De acordo com Nuno Fonseca, foi igualmente desconvocada uma "greve ao tempo extraordinário" que está a decorrer.

Segundo o sindicalista, o acordo aceite pelos trabalhadores "visa a paz social nos próximos meses", descartando haver em cima da mesa "negociações ou reivindicações".

"Não sendo o acordo ideal, vai de encontro a algumas pretensões dos trabalhadores e neste momento não se avizinha mais nada, nem protestos, nem formas de luta", frisou. O sindicalista escusou-se a revelar detalhes do acordo entre o Conselho de Administração do Metropolitano de Lisboa e o Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes.

No último protesto, a 18 de outubro, os trabalhadores do metro estavam contra a discordância com a proposta de atualização salarial plurianual de 24,50 euros para os anos de 2018 e 2019, apresentada então aos representantes sindicais pelo conselho de administração.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.