Lisboa lança campanha contra o ruído noturno

A campanha dirige-se sobretudo aos clientes de bares, restaurantes e alojamentos locais do Bairro Alto, Bica e Cais do Sodré

"Quando o ruído entra em casa os residentes veem-se na rua". É este o mote escolhido para a campanha de sensibilização sobre o ruído noturno da Câmara Municipal de Lisboa, apresentada na noite desta quarta-feira na Praça Luís de Camões.

Os clientes dos bares, restaurantes e alojamentos locais do Bairro Alto, Bica e Cais do Sodré, bairros históricos com maior oferta de diversão noturna na capital, são os principais destinatários desta ação.

Trata-se de uma campanha integrada numa proposta vencedora do Orçamento Participativo de Lisboa, apresentada pela associação de moradores "Aqui Mora Gente", que inclui também uma aplicação de telemóvel para registar as queixas de ruído, naminharualx.cm-lisboa.pt/, que está em funcionamento, de acordo com a autarquia.

"O ruído é uma forma de poluição urbana. Da próxima vez que sair à noite em Lisboa, lembre-se que aqui também mora gente", lê-se nos cartazes que foram espalhados pela cidade. Uma campanha que "apela à necessidade de se respeitar as leis do ruído e o direito dos moradores ao descanso", explica a câmara.

Uma iniciativa de sensibilização que vai fazer-se notar nos copos, nas bases de copos e em cartazes distribuídos pelos estabelecimentos comerciais, com versões em português e inglês.

A campanha tem o apoio da Junta de Freguesia da Misericórdia e a colaboração das associações de comerciantes do Bairro Alto e do Cais do Sodré.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.