"Um dia único e memorável", escreveu Aga Khan a Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República recebeu, com honras de Estado, Aga Khan, o líder espiritual dos ismaelitas, 15 milhões de pessoas espalhadas pelo mundo

Eram 11. 34 quando o Audi verde chegou e Aga Khan pisou o Palácio de Belém, recebido por Marcelo Rebelo de Sousa. Feitos os cumprimentos, houve honras militares, o hino de Portugal tocado pela banda da GNR e breves cumprimentos para as fotografias.

"Dia único e memorável", escreveu o líder espiritual dos ismaelitas no Livro de Honra da Presidência da República, assinalando a sua visita oficial a Portugal na semana em que celebra o encerramento do jubileu de diamante, isto é, os seus 60 anos à frente do Imamat. Por esta altura, cerca de 45 mil ismaelitas concentram-se em Lisboa para os festejos.

A reunião, sem jornalistas nem repórteres de imagem (apenas puderam entrar durante alguns minutos no início), durou cerca de uma hora. Marcelo Rebelo de Sousa e Aga Khan estiveram na varanda com vista de rio.

No pátio dos bichos, primeiros dos jardins zoológicos de Lisboa nos tempos da monarquia e hall de entrada das visitas oficiais da Presidência da República, continuou a guarda de honra. Às 12.45, fizeram-se as despedidas. Com Aga Khan seguiu Nazim Ahmad, o representante diplomático do Imamat Ismaili, em Portugal.

Uma série de encontros oficiais

Este foi o primeiro de uma série de encontros oficiais que o líder dos ismaelitas mantém com as autoridades portuguesas. De manhã com o Presidente da República, ao almoço com António Costa e à noite num banquete oficial oferecido por Marcelo Rebelo de Sousa.

Amanhã Aga Khan, que completa 82 anos em dezembro, e é o presidente da Rede Aga Khan para o Desenvolvimento (uma organização que fatura cerca de 800 milhões de euros anualmente, redistribuídos pelas suas agências presentes em vários países, incluindo Portugal), discursa na Assembleia da República e inaugura a exposição Ideals of Leadership: Master pieces from the Aga Khan Museum Collections. Almoça com Ferro Rodrigues em S. Bento e, à tarde, visitará as obras que decorrem no Palacete Mendonça, futura sede do Imamat Ismaili, no topo do Parque Eduardo VII.

Lisboa, sede do Imamat

Em 2015 foi celebrado um acordo entre o Estado Português e o Imamat para que a sede seja transferida de Paris para Lisboa. Ficará na casa do início do século XX que o arquiteto Ventura Terra desenhou para o roceiro Henrique Mendonça e para a sua família. O palacete, onde funcionava o MBA da Universidade Nova, foi vendido aos ismaelitas por 12 milhões de euros e encontra-se neste momento em processo de reabilitação, a partir de um plano de Frederico Valsassina em colaboração com a Fundação Ricardo Espírito Santo. A inauguração está prevista para 2019. Cerca de 500 pessoas virão trabalhar para Lisboa.

Apesar dos encontros de Estado, a visita de Aga Khan é sobretudo religiosa. No dia 11, quarta-feira, além de passar pelo Palacete Mendonça para uma cerimónia religiosa, encontra-se com a comunidade no Parque das Nações. Os pavilhões da Fil abrem-se, convertendo-se numa única e ampla assembleia para os ismaelitas que se encontram em Lisboa rezarem com o líder. Reconhecem-se pelas suas pulseiras verdes e encarnadas, as cores da bandeira ismaili. Vieram de 35 países para aquele que consideram ser um dos momentos mais importantes da comunidade.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.