Sabe quais são os cinco jardins mais populares de Lisboa?

Sossego, biodiversidade e parque infantil. Estes são alguns dos trunfos dos jardins mais procurados de Lisboa. E estarem ao pé de casa ou do trabalho.

Os Jardins da Fundação Calouste Gulbenkian são os mais procurados em Lisboa por quem quer gozar um pouco de sossego na cidade.

Este espaço verde, da autoria dos arquitetos paisagistas António Facco Viana Barreto e Gonçalo Ribeiro Telles, lidera a lista dos cinco jardins mais populares da capital de acordo com um inquérito efetuado pelo Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e que a Câmara de Lisboa divulgou no seu site.

Os outros quatro espaços eleitos por quem respondeu ao inquérito foram, por ordem decrescente: Jardins do Campo Grande; Jardim da Estrela (Jardim Guerra Junqueiro); Parque Eduardo VII de Inglaterra e Parque Florestal de Monsanto.

Entre as razões apresentadas pelas mais de duas mil pessoas inquiridas para justificar as suas escolhas estão o facto de estes jardins estarem próximo de casa ou do trabalho, terem tranquilidade, sossego e possibilitarem o contacto com a natureza, pela biodiversidade e beleza que possuem e por terem parque infantil.

Responderam ao inquérito, inserido no projeto europeu Green Surge e no Plano de Ação Local para a Biodiversidade em Lisboamais de duas mil pessoas, na sua maioria com idades entre os 25 e os 44 anos.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.