PCP quer mais travões ao turismo em Lisboa

João Ferreira defende projeto à medida do que se faz em Amesterdão e Barcelona. Comunistas exigem "cidade para todos" e não só de olhos postos no turismo

"Não devemos ter medo do crescimento. Pelo contrário, precisamos de preparar a cidade para receber ainda mais turistas." A frase era dita com ânimo por um Fernando Medina já presidente da Câmara de Lisboa, no início do verão de 2016, em resposta a uma reportagem da Bloomberg que dava conta de um aumento de 21% no número de dormidas e de 13 mil casas e quartos registados no Airbnb. Dois anos depois, há 73 500 casas em alojamento local no país, com Lisboa a acolher mais de 4 milhões de turistas/ano, e ainda que Medina continue a defender o turismo (com regras) na cidade, a pressão política levou já à criação de travões. Mas o PCP quer mais.

João Ferreira não está contente com as regras que têm sido criadas para travar a pressão turística na cidade - caso da nova lei do alojamento local, que entra em vigor no final de outubro. Segundo um documento a que o Observador teve acesso, o PCP questionou a Câmara de Lisboa sobre a lotação turística da cidade e quer introduzir "limites críticos da intensidade turística no território" à semelhança do que fizeram Amesterdão e Barcelona.

O projeto, que os deputados municipais do PCP tornarão púbico amanhã de manhã, define-se pela avaliação da capacidade de carga turística de ruas, zonas ou mesmo de toda a cidade, fixando o número máximo das que podem ali passar sem estragar os seus "padrões de qualidade".

Já durante a campanha autárquica, João Ferreira - que vive em Bruxelas, uma vez que é também eurodeputado - fora um acérrimo opositor do turismo enquanto centro da atividade de Lisboa, defendendo já em entrevista à TSF que "nalgumas áreas já são necessárias medidas de contenção, porque o que está em causa é o direito à habitação e a própria descaracterização da cidade. Estamos a despir Lisboa da matriz identitária que a tornou apetecível e atrativa, inclusive para o turismo", frisou o dirigente comunista no início do ano passado.

Agora, o partido defende que se crie um tampão, algo que vá além da legislação aprovada para travar o alojamento local, que entra em vigor no final do mês. Para o PCP, igualmente crítico da forma como Lisboa tem sido reabilitada, que entende resultarem de uma estratégia com os olhos postos em fins turísticos, é importante que a "cidade seja para todos". E sustenta a criação de limites nos programas discutidos em cidades como Amesterdão (18,5 milhões de turistas/ano para cerca de 850 mil habitantes) ou Barcelona (32 milhões, vinte vezes o número de habitantes).

Também Ricardo Robles, vereador do BE - entretanto substituído por Manuel Grilo, na sequência das notícias da propriedade que detém em Alfama e que planeava pôr em regime de Alojamento Local, tendo-se entretanto comprometido a colocá-la no mercado do arrendamento - foi sempre defensor da necessidade de pôr travão àquilo que o Bloco de Esquerda considerava um crescimento descontrolado do turismo.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.