Pastelaria Suíça, em Lisboa, encerrou "permanentemente"

A pastelaria Suíça, em Lisboa, que se orgulha de ter introduzido em Portugal o croissant francês, encerra esta sexta-feira permanentemente, depois de o edifício onde se localiza desde 1922, no Rossio, ter sido comprado por fundos estrangeiros

Além da Suíça, também esta sexta-feira foi o último almoço serviço pelo restaurante Ano Novo, de comida tradicional portuguesa, na Rua dos Correeiros, por o novo senhorio, de nacionalidade holandesa, ter recusado renovar o contrato de arrendamento.

"A sensação que nós temos é que estão a desaparecer algumas lojas que têm um grande significado para este território. Ainda hoje fechou este restaurante que era muito especial aqui na zona e, enfim, temos aqui um conjunto de situações que nos desagradam", disse Miguel Coelho, presidente da Junta de Santa Maria Maior.

Para o presidente da Associação de Dinamização da Baixa Pombalina, Manuel Lopes, "o problema é complexo", um "ciclo de vida que está a acontecer".

"Temos de ser claros e dizer que muitas das lojas encerradas cumpriram um ciclo de vida. Isto é como tudo: os anos vão passando as empresas fazem-se velhas, os administradores também se fazem mais envelhecidos e, se não houver sucessão, a empresa ou é vendida ou encerra pura e simplesmente", disse.

Manuel Lopes destacou que o número de lojas a encerrar, "de facto, é elevado neste momento".

"Infelizmente muitas das lojas não teriam possibilidades de continuidade, dado à sua forma de estar e o seu não aproveitamento da proximidade àquilo que é hoje o comércio e os serviços, mas há infelizmente um número elevadíssimo de um conjunto de lojas históricas que não deviam nem poderiam ser encerradas, porque elas tinham viabilidade e fazem parte da história da nossa Baixa", considerou.

"A reabilitação - também temos que ser pragmáticos - ela tinha que acontecer, todos aplaudimos a reabilitação, o que não aplaudimos é a forma como estão a ser encerrados estabelecimentos que deveriam ter continuidade", acrescentou, salientando que, devido ao atual mercado de arrendamento, "poucas empresas dirigidas ou na posse de portugueses têm condições de pagar aquilo que o mercado exige".

Quem procurar na internet por Pastelaria Suíça, encontra que o espaço está "encerrado permanentemente".

No caso da Suíça, houve a venda do quarteirão onde se localiza e os empresários terão chegado a acordo para sair do espaço.

A icónica pastelaria ainda se candidatou ao programa municipal "Lojas com História", mas acabou por desistir.

Numa carta enviada à Câmara de Lisboa a 15 de junho, e à qual a agência Lusa teve acesso, o proprietário revelou que se afigurava necessário "o encerramento da Pastelaria Suíça, pelo menos no espaço que agora ocupa".

"Sucede que, desde o momento da aludida candidatura até à presente data, ocorreram várias vicissitudes que tiveram, e têm tido, um impacto negativo na exploração comercial da Pastelaria Suíça, impossibilitando a sua viabilidade, subsistência e continuidade no futuro", refere a carta, assinada por Fausto Roxo.

Por isso, continua o texto, os proprietários desistiram do processo de candidatura a esta classificação, "dado que o mesmo deixou de se justificar".

O restaurante Ano Novo, na Rua dos Correeiros, comprado pelo pai de Luís Lopes em 1960, serviu hoje almoços pela última vez.

"O senhorio vendeu o prédio a um indivíduo holandês e ele mandou uma carta a dizer que não renovava o contrato e já não era possível continuar aqui. Fomos despejados, embora sempre pagássemos a renda e cumpríssemos com as nossas obrigações", disse à Lusa Luís Lopes, sócio-gerente, que trabalhava no restaurante familiar há 28 anos.

Luís Lopes salientou que "cada vez há menos comida portuguesa na Baixa e cada vez há de haver menos".

"Principalmente ao almoço, os clientes eram todos conhecidos nossos", desabafou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.