Jardim da Cerca da Graça está degradado três anos depois da inauguração

1,7 hectares, três miradouros, relvado, parque de merendas, quiosque com esplanada, parque infantil e um pomar. A relva está agora queimada, há graffiti e o chão está sujo. A Câmara diz que vai resolver

O Jardim da Cerca da Graça, na freguesia de São Vicente, em Lisboa, foi inaugurado há três anos, mas hoje encontra-se degradado, com a relva queimada, graffiti ao longo das paredes e o chão está sujo. Os lisboetas e a presidente da Junta de Freguesia pedem intervenção no espaço, que é da responsabilidade da Câmara Municipal de Lisboa, mas a autarquia referiu que apenas se tratou de uma falha na manutenção e que está a ser corrigida.

Inaugurado em junho de 2015, o Jardim da Cerca da Graça, na encosta subjacente ao Convento da Graça, ocupa quase dois hectares e é "o maior espaço verde de acesso público da zona histórica" de Lisboa, de acordo com a informação disponibilizada na página oficial do município.

O espaço também foi requalificado para permitir a ligação entre os bairros da Graça e da Mouraria, "já que dispõe de três entradas principais: "Uma junto ao Convento da Graça, outra na Calçada do Monte, a meio da encosta, e por fim uma na Mouraria." O jardim tem três miradouros, um relvado central, um parque para merendas, um quiosque com esplanada, um parque infantil e ainda um pomar. O relvado no centro era utilizado maioritariamente por moradores e turistas para banhos de sol ou por famílias com crianças.

Mas em agosto deste ano o cenário é diferente. O relvado central ficou queimado e de verde passou a amarelo e seco, com pedaços de terra visíveis. As paredes ao longo do jardim estão cheias de graffiti e as plantas que preenchem a encosta estão queimadas. O parque era visitado por muitas pessoas, mas agora contam-se pelos dedos da mão as que decidem passar a tarde neste espaço. Os locais são escassos e os poucos turistas estrangeiros que entram curiosos também não ficam durante muito tempo.

Ao contrário de outros jardins da cidade, repletos de pessoas, neste jardim o único som que se ouve é o dos técnicos dos serviços de manutenção dos espaços verdes da Câmara de Lisboa.

Para Joana Paixão, de 28 anos, a redução no número de visitantes foi a alteração mais notória e a lisboeta acredita que se deve à degradação que o jardim sofreu.

A moradora aproveitou a tarde para apanhar banhos de sol com uma amiga. Estendeu a toalha e "fez praia" em plena zona histórica de Lisboa, mas explicou ao DN que agora vê "menos pessoas" e acredita que se deve ao estado do jardim. "Costumo vir para aqui de manhã e via muito mais gente aqui", referiu, elencando os graffiti espalhados pelo espaço não transtornam, mas "o que incomoda é a relva".

"Estávamos agora a comentar que estão a arranjar a relva. Não sei se ligam durante a tarde e a relva fica queimada, não sei se escolhem mal a hora", afirmou, considerando que "visualmente não é bonito".

Vicente Camelo estava no pomar a tocar acordeão e, apesar de não considerar que o espaço estivesse "muito degradado", teceu comentários sobre a manutenção em falta. O morador de 37 anos vincou que "há um pouco mais de sujidade no chão" e que "a relva podia estar um pouco mais cuidada", uma vez que se trata de um espaço "mais amplo e mais calmo".

Ambos consideram que o espaço não deveria ter chegado a estado degradado que tem hoje e consideram importante a reabilitação.

Questionada pelo DN, a presidente da Junta de Freguesia de São Vicente, Natalina Moura, demarcou-se das responsabilidades de intervenção no jardim. "Não é da nossa competência, é totalmente da Câmara", explicou, acrescentando que a degradação do Jardim da Cerca da Graça "já foi um assunto muito discutido na Assembleia Municipal de Lisboa, na Comissão de Ambiente de Qualidade de Vida" e que a quarta comissão - responsável pela análise da condição do jardim - já "visitou o espaço" e chamou o vereador do Ambiente, Espaços Verdes, Clima e Energia da autarquia da capital, José Sá Fernandes. "Nós gostaríamos de ver o jardim diferente", lamentou.

Câmara diz que o problema está a ser corrigido

O DN também pediu esclarecimentos à Câmara de Lisboa, que referiu em comunicado que o caso está sinalizado e em fase de resolução. Fonte do gabinete de José Sá Fernandes explicou que "o que foi detetado foi uma falha na manutenção e que está a ser suprida com meios próprios da Câmara de Lisboa".

A autarquia também confirmou a falta de tratamento no relvado e do arvoredo na encosta. "De facto houve uma degradação dos relvados que tem de ser reposta, mas neste momento isso está a ser feito."

"Foi detetado o problema e está a ser corrigido", garantiu a autarquia, elencando que o jardim "é mantido pela Câmara de Lisboa através de um contrato de gestão e manutenção com uma empresa".

A nota explica que na primeira semana de agosto foi detetado "um problema no sistema elétrico da rega que, associado às elevadas temperaturas, reduzida humidade e ventos fortes que se fizeram sentir" e que "conduziu a uma deterioração rápida dos relvados".

"Neste momento, a empresa de manutenção em conjugação com os meios próprios da CML mobilizados para o efeito, estão a atuar para corrigir a situação de forma a evitar maior degradação do jardim. A avaria no sistema elétrico da rega automática estará resolvida previsivelmente durante o mês de agosto mas, até lá, a rega acionada manualmente estará funcional, explicita o município, acrescentando que o espaço "tem elevada carga humana, o que pode condicionar a recuperação, mas é expectável" que demore "algumas semanas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.