Intervenção no Museu Termas Romanas de Chaves vai avançar em breve

Museu das Termas Romanas, em Chaves, vai finalmente para obras. Núcleo museológico deve estar pronto em 2019

O presidente da Câmara de Chaves anunciou hoje que a intervenção no Museu das Termas Romanas arranca em breve, depois de encontrada uma solução para o problema de ventilação que passa pelo reaproveitamento da água quente do balneário.

Nuno Vaz explicou que a solução foi apontada pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), depois de um pedido de avaliação ao projeto e ao espaço.

As termas medicinais romanas são um monumento que esteve perdido no tempo durante quase dois mil anos e que foi descoberto durante a construção de um parque de estacionamento subterrâneo, em pleno centro da cidade de Chaves.

Depois de concluída a fase de construção do edifício, que alberga o Museu das Termas Romanas, a autarquia quer avançar agora com o projeto de musealização do espaço.

Há, no entanto, uma polémica relacionada com a solução técnica encontrada para a resolução do problema de condensação, de humidade, já que as termas ainda possuem água quente.

Nuno Vaz explicou que solução herdada pelo atual executivo revelou uma "fatura energética elevada", a rondar os 40 mil euros por ano, e disse que era ainda insuficiente para assegurar a remoção do vapor de água emitido pelas águas termais e para prevenir o risco de ocorrência de condensações.

O LNEC propôs duas soluções para a resolução do problema, a primeira traduzindo-se na criação de maior área de ventilação natural e um aquecimento do espaço, utilizando um ramal de água quente do balneário das termas de Chaves.

O laboratório propôs ainda a criação de maior área de ventilação natural, com arrefecimento da água das piscinas e aquecimento do museu com o calor recuperado da água arrefecida.

Nuno Vaz afirmou que "são duas soluções que partem do problema inicial".

Ou seja, acrescentou, "o problema é transformado em solução" e será a própria água quente, a causa da condensação, que será usada para o aquecimento do edifício.

Nuno Vaz adiantou ainda à agência Lusa que se prevê dar início à execução da obra "dentro de pouco tempo" e que o Museu das Termas Romanas deverá estar concluído "até ao final de 2019".

Entretanto, foi criada uma comissão de trabalho por parte da Assembleia Municipal de Chaves, constituída por todos os grupos municipais, que vai recolher documentação e testemunhos para a produção de um relatório e conclusões sobre todo o processo do Museu das Termas Romanas.

Depois, segundo Nuno Vaz, serão "tiradas as devidas ilações".

"Perante as conclusões e se forem apuradas responsabilidades (...) de cariz financeiro, administrativo ou de outra índole, enviaremos esse assunto para a entidade competente, que, na nossa perspetiva, é o Ministério Público.

Este monumento ficou "congelado no tempo", depois de um sismo que há cerca de 17 séculos provocou a derrocada do edifício das termas romanas na zona onde é hoje Chaves.

Foi descoberto em 2005 e, ao longo destes anos, foram efetuadas as escavações que revelaram duas grandes piscinas, mais sete de pequenas dimensões e ainda um complexo sistema hidráulico de abastecimento às estruturas e que ainda hoje funciona.

Depois de concluída a fase de construção do edifício, que alberga o Museu das Termas Romanas, a autarquia vai avançar agora com o projeto de conservação, desumidificação e musealização do espaço.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)