Governo ordena inquérito a atuação da PSP no caso da agressão a jovem luso-colombiana

Comunicado do ministro Eduardo Cabrita garante tolerância zero para "fenómenos de violência e manifestações de cariz racista ou xenófobo."

"O Ministro da Administração Interna garante que não tolerará fenómenos de violência nem manifestações de cariz racista ou xenófobo." É com esta frase, que situa a agressão perpetrada na noite de São João por um segurança da empresa 2045 atuando como fiscal do Serviço de Transportes da Cidade do Porto sobre uma jovem de 21 anos, Nicol Quinayas, no contexto do racismo e da xenofobia, se que inicia o comunicado do MAI.

E prossegue: "Na sequência das questões suscitadas hoje por vários partidos parlamentares, relativas a uma ocorrência envolvendo uma cidadã colombiana no Porto, o Ministério da Administração Interna informa que, através da Inspeção Geral da Administração Interna, foi aberto um processo administrativo, que visa o esclarecimento da situação junto da Polícia de Segurança Pública."

Este comunicado responde aos requerimentos de BE e PCP sobre o caso, solicitando ao MAI que se pronunciasse sobre o ocorrido e informação sobre a atuação da PSP, tendo o PCP considerado que "a gravidade do ocorrido e as suspeitas existentes quanto ao comportamento dos agentes da PSP impõem que a Inspeção Geral da Administração Interna apure todos os factos e apure as respetivas ilações." Também o PS, pela voz do presidente do grupo parlamentar, Carlos César, exortou o governo a agir e a não tratar "o que se passou como uma mera desavença".

A comunicação do MAI termina certificando que "estão em processo legislativo as alterações à Lei da Segurança Privada."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.