Futuros de Lisboa. A exposição que desafia todos a pensarem a cidade

Uma exposição no Terreiro do Paço desafia criativos e público a pensarem no futuro de Lisboa, numa altura em que muitos questionam o presente

Discutem-se coisas importantes à porta do primeiro-ministro: peixe e poesia. Este verão sensato tem uma brisa fresca nas arcadas da Praça do Comércio, para onde António Costa se mudou. E é ali mesmo que uma guia turística explica, em inglês, a homofonia de fixe e fish. Perto, em espanhol, um outro guia está rodeado de 20 turistas. Fala-lhes de Fernando Pessoa, que ali escreveu, no Martinho da Arcada, a Mensagem, numa língua "que se lê do Brasil até à China".

Mesmo ali ao lado, no Torreão Poente, vai inaugurar-se uma exposição sobre Os Futuros de Lisboa. A partir de 12 de julho, a ideia é imaginar o que a cidade pode ser, no momento em que muitos lisboetas se preocupam com o que ela está a ser. Por isso convidámos Sofia Guedes Vaz, especialista em ambiente, e João Seixas (J.S.), geógrafo, dois dos comissários da exposição (o terceiro é o arquiteto Manuel Graça Dias), para uma conversa sobre o futuro. Ou, como eles gostam de dizer, os vários futuros. A primeira resposta é um desafio:

Sofia Guedes Vaz (S.G.V.) - O mais importante do futuro de Lisboa é a ideia de que podemos ter um papel nele. O futuro não é obra do acaso, é nossa.

Talvez por isso, António Costa tenha alertado: "O crescimento do turismo não pode transformar as cidades num parque de diversão para adultos." Em Lisboa há, feitas as contas, 300 turistas por quilómetro quadrado. Visitam a cidade, por ano, 4,5 milhões de pessoas. A proposta de António Costa é aumentar a reabilitação urbana e criar incentivos a rendas acessíveis. Chega?

J.S. - Soa-me a pouco. É melhor do que nada, mas não chega. Este é o ponto decisivo. O mercado imobiliário está em sobreaquecimento para os rendimentos das famílias. A taxa Euribor está a zero. Quando algum investidor internacional sabe que o retorno do investimento é grande, se comprar uma casa em Lisboa, e ainda pode aproveitar o sol, a praia, o surf. Há bastante tempo que este problema devia estar a ser resolvido. Era mais do que previsível.

S.V.G. - Mas é difícil. Lisboa ainda é uma cidade barata. É urgente regular. Os airbnb salvaram a vida a muita gente. Muitos lisboetas vivem aqui porque têm rendimentos de casas alugadas.

Daqui vê-se o problema. Há cinco gruas na quadrícula que Pombal impôs na Baixa. Entre as ruas do Ouro e da Prata, reconstrói-se. O preço por metro quadrado subiu 15,5% em 2017, na cidade toda. 46% no Marquês. Regular a pressão sobre o imobiliário é, afirma João Seixas, especialista em planeamento e gestão urbana, a primeira prioridade.

J.S. - O que está a acontecer passa-se a uma velocidade vertiginosa. A maior questão é essa. Diziam que a cidade histórica não tinha ninguém, mas 70 mil pessoas não é ninguém... As desigualdades e os problemas sociais que podem surgir com a mudança têm de ser geridos com atenção. A identidade é um conceito muito sensível, mas não pode ser fixo. Tudo o que está a acontecer hoje no mundo, um certo conservadorismo, tem que ver com o receio da mudança. A mudança pode ser melhor se for bem gerida. Lisboa tem neste momento despejos, o que é inadmissível. O futuro tem de ser mais justo.

S.G.V. - Dizemos mal dos turistas, mas se um turista me perguntar alguma coisa eu ajudo a sorrir.

J.S. - Lisboa é uma cidade aberta, é a sua vocação há mais de 500 anos. Mas o que acontecer no planeta vai ter impactos. Isso obriga-nos a ter uma governação muitíssimo mais atenta. Estar na vanguarda da gestão do turismo significa estar na vanguarda da regulação. A relação que se faz entre muitos de nós sermos residentes e turistas, por exemplo. Eu sou turista 5% da minha vida, 95% do tempo sou residente. Quando sou turista não me importo de pagar mais. Convinha que soubéssemos navegar - isto é uma frase muito portuguesa... -, saber se queremos uma cidade mais virada para passagem ou para permanência.

Aqui, na Praça do Comércio, já houve quase tudo. "O povo é sereno", disse o tio-avô de Bruno de Carvalho, Pinheiro de Azevedo. Houve regicídio na Rua do Arsenal, discursos de Salazar à varanda, as chaimites de Salgueiro Maia a redimirem-nos. Depois disso, o arco da Rua Augusta já enquadrou o Gulliver de Jonathan Swift. E agora, no Torreão Poente, o Museu de Lisboa lança um desafio aos cidadãos. "A exposição é sobre futuros longínquos e sem data. São reflexões sobre a passagem do tempo, as capacidades e as incapacidades de projetar o futuro", explica Joana Monteiro, a diretora do museu. O que é importante para o futuro de Lisboa? "Dois dos maiores desafios: a sustentabilidade ambiental, social e económica, e a manutenção e afirmação da personalidade própria de Lisboa, face à pressão da globalização."

Nesta praça lisboeta, há dois torreões. No Poente, imagina-se o futuro, no oposto tomaram-se as decisões no passado recente da troika. Há alguma ligação entre as duas crises, a financeira e a da "identidade" - que marcaram os últimos anos na Europa? E isso está a provocar nos cidadãos um desejo de regresso ao passado, desconfiados do futuro?

J.S. - Não é um regresso ao passado, é agarram-se àquilo que tomam como seguro.

E como podemos imaginar o futuro em Lisboa?

S.G.V. - A eficiência energética é onde se tem verificado os avanços maiores. E a mobilidade vai ser determinante. Quando se pede "fecha os olhos e pensa na Lisboa que queres" muita gente pensa numa cidade sem carros. É lindíssimo passear por Lisboa e ver tanta gente de bicicleta. Os empregos vão deixar de existir e isso vai ter impacto. O espaço será mais público, um aumento dos trans- portes públicos, tudo isso é uma espiral positiva.

Na exposição, além de imagens utópicas, há planos para um futuro realizável, como o elétrico rápido na Segunda Circular.

J.S. - A última sala da exposição, a sala 10, tem 16 pilares pombalinos. Numa parede vamos ter os 24 direitos à cidade. A cidade foi governada pelo Conselho Municipal. Em 1383 o mestre de Avis instituiu a Casa dos 24, mesteirais, correeiros, sapateiros... Temos a nova Casa dos 24, com direitos: habitação, lugar, justiça, saúde, refúgio... Terminamos com o direito ao desejo. Sem ele nunca havia cidade.

S.G.V. - O meu sonho é que a economia deixe de ter tanta importância. Não podemos crescer indefinidamente. Esta é, se quisermos, uma imagem do futuro, como o camião do lixo que acelera em marcha-atrás, "movido a gás natural", está escrito na ilharga, e limpa os copos de plástico vazios do chão. Sofia Guedes Vaz reforça que é mais útil sonhar do que ter planos. E também para isso há uma imagem no Torreão: os responsáveis decidiram, há muito tempo, pôr uma cerca de espetos de metal para impedir os pombos de se alojarem no topo das colunas e sobre a porta que fica nas arcadas. Os pombos aprenderam a passar por cima das pontas afiadas e ajeitam-se como podem no intervalo que sobra.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.